1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Investigadores propõem mudanças em avião depois de acidente da Asiana Airlines

ALWYN SCOTT E ANNIKA MCGINNIS - REUTERS

24 Junho 2014 | 19h 53

Investigadores dos Estados Unidos disseram nesta terça-feira que a Boeing deveria estudar modificações nos controles de voo do avião 777 em reação à queda de uma aeronave da Asiana Airlines em San Francisco em julho do ano passado que matou três pessoas e feriu mais de 180.

O Painel Nacional de Segurança do Transporte (NTSB, na sigla em inglês) aceitou as 30 descobertas após uma investigação de 11 meses do acidente de 6 de julho de 2013 e fez mais de duas dúzias de recomendações à Administração Federal de Aviação, à empresa aérea sediada em Seul, à fabricante Boeing, ao corpo de bombeiros, à cidade e ao condado de São Francisco.

O NTSB disse que sua investigação não encontrou nenhuma falha no sistema de autoaceleração ou em qualquer outro controle de voo ou sistema de alerta. Os pilotos cometeram entre 20 e 30 erros nas últimas 14 milhas da aproximação, relatou o NTSB, citando sua “má execução” como causa provável da queda.

A autoaceleração do Boeing 777 protege contra a baixa velocidade e até “desperta” se estiver fora da velocidade correta, mas na função "hold" o sistema exige um piloto para o controle de velocidade, e não evita que ela caia abaixo do mínimo necessário para permanecer no ar, informou o NTSB – precisamente o que ocorreu no voo da Asiana sem que os pilotos percebessem o risco.

Os pilotos, embora experientes, não entendiam exatamente como a autoaceleração funciona e que não manteria a velocidade mínima no ar em todas as circunstâncias.

Esta complexidade, e manuais de treino que não descrevem claramente como os controles operam, contribuíram para a queda do voo 214 da Asiana Airlines, revelou o NTSB.

“A automação funcionou como devia, mas os pilotos não entendiam plenamente o que ela faz e não faz”, disse o presidente em exercício do NTSB, Christopher Hart. “Não foi um problema de funcionamento em si, foi a intersecção entre o funcionamento e o entendimento que os pilotos tinham dele”.

O treinamento da companhia aérea pode não ter preparado adequadamente o copiloto, que supervisionava o capitão, que fazia seu primeiro pouso no aeroporto em um Boeing 777. A fadiga da tripulação também teve seu papel, afirmaram os investigadores do NTSB.

O painel recomendou que a Boeing desenvolva e avalie mudanças nos controles de voo para garantir que o “estado de energia” do avião – uma combinação de velocidade, altitude, propulsão do motor e outros fatores – “permaneça no ou acima do mínimo desejado... para qualquer porção do voo”.

A entidade ainda disse que a Boeing e a Asiana deveriam mudar seus manuais de treinamento para explicar melhor as funções da autoaceleração.