1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Na véspera do funeral, pai de adolescente negro morto nos EUA pede calma

NICK CAREY E EDWARD MCALLISTER - REUTERS

25 Agosto 2014 | 09h 11

Políticos, ativistas e a família de Michael Brown se reuniram para o funeral nesta segunda-feira

Adrees Latif/Reuters
Michael Brown Sr. (C), father of 18-year-old teen Michael Brown, salutes those gathered before he departs with his wife Lesley McSpadden (L) and Reverend Al Sharpton after speaking at the the Peace Fest 2014 rally in St. Louis, Missouri August 24, 2014. Hundreds of people gathered in a St Louis park on Sunday for a rally against police violence that is expected to bring together the family of Michael Brown, killed by an officer in Missouri this month, and the parents of Trayvon Martin, a Florida teenager shot dead in 2012. The Peace Fest rally in Forest Park takes place one day before the funeral of Brown. The slaying of the 18-year-old black youth by a white police officer, Darren Wilson, in the St Louis suburb of Ferguson on Aug. 9 led to days of unrest and drew global attention to race relations in the United States. REUTERS/Adrees Latif (UNITED STATES - Tags: CRIME LAW CIVIL UNREST)

O pai de Michael Brown, adolescente negro que foi morto por um policial branco em Ferguson, Estado norte-americano de Missouri, em 9 de agosto, pediu calma enquanto sua família, políticos e ativistas se reuniam para o funeral nesta segunda-feira, após semanas de manifestações de protesto.

Os protestos por vezes violentos ganharam as manchetes de todo o mundo e reacenderam a atenção sobre questões raciais nos Estados Unidos. A polícia local foi criticada pelas prisões em massa e pelo uso de táticas abusivas e equipamento militar.

“Tudo o que eu quero amanhã (hoje) é paz quando colocarmos nosso filho para descansar”, disse Michael Brown Sr. em um protesto contra a violência policial liderado por ele no domingo, ao lado do líder militante de direitos civis reverendo Al Sharpton.

“Por favor, isso é tudo o que peço”, disse ele a uma multidão de centenas de pessoas, incluindo os parentes de Trayvon Martin, adolescente da Flórida morto com um tiro na cabeça por um segurança em 2012.

Sharpton, que também irá ao funeral, disse: “Não queremos nada amanhã que vá manchar o nome de Michael Brown”.

As autoridades se mantiveram em alerta no funeral, embora confrontos entre manifestantes e policiais tenham se reduzido significativamente durante a semana e a Guarda Nacional tenha começado uma retirada gradual do subúrbio de St. Louis na sexta-feira.

A Casa Branca disse que enviaria três assessores presidenciais para o funeral em uma igreja batista de St. Louis, com expectativa de grande comparecimento público.

Na noite de domingo, poucas pessoas se reuniram no local dos recentes protestos, em número bem menor do que policiais.