1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Otan deve manter cerca de 12 mil soldados no Afeganistão em 2015

Reuters

04 Junho 2014 | 17h 40

Uma missão de treinamento liderada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão no ano que vem deve chegar a 12 mil soldados, sendo oito mil dos Estados Unidos, e cerca de 1.800 norte-americanos irão conduzir missões de contraterrorismo, disse um militar de alta patente nesta quarta-feira.

Os EUA também gostariam de ver uma participação de nações com forças bem treinadas no esforço de contraterrorismo, como Grã-Bretanha e Austrália, afirmou a autoridade militar, falando sob anonimato.

A cifra de 12 mil tropas da missão de treinamento fornecida pelo militar nos bastidores de um encontro de ministros da Defesa da Otan, em Bruxelas, se destacava nas especulações sobre planejamento discutidas anteriormente nos corredores da aliança atlântica.

Na semana passada, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que irá reduzir sua força no Afeganistão para 9.800 soldados no início do próximo ano, divididos entre soldados que formarão parte da missão de treinamento da Otan e outros que serão parte de uma missão norte-americana para combater militantes da Al Qaeda no Afeganistão.

Os EUA não disseram quantos soldados estarão em cada missão, “mas minha avaliação é que algo da ordem de 8 mil serão parte da missão da Otan... e o número total de 12 mil incluiu uma cifra projetada de 8 mil dos EUA e 4 mil da Otan”, declarou a autoridade militar.

“Há uma série de nações que possuem forças de operação especiais de alto nível que nos seriam bem-vindas como parte deste esforço”, disse.

A falta de clareza sobre a missão de contraterrorismo até agora atrapalhou discussões mais detalhadas sobre como Grã-Bretanha e Austrália poderiam querer contribuir, disse o militar.

O objetivo da missão é manter a pressão sobre a Al Qaeda e a suas afiliadas no Afeganistão para evitar que realizem ataques no Ocidente.

Os Estados Unidos intervieram no Afeganistão após os ataques de 11 de setembro de 2001 para que o país não se convertesse em um santuário da Al Qaeda.

Tanto a presença da Otan quanto dos EUA no Afeganistão após o fim deste ano, quando as operações de combate conduzidas pela Otan devem ser encerradas, dependem de os afegãos assinarem um acordo de segurança com os norte-americanos estabelecendo uma base legal para isso.

(Reportagem de David Brunnstrom e Adrian Croft)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo