1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Polícia avança contra manifestantes em mais uma noite de protesto em Ferguson, nos EUA

SCOTT MALONE E ELLEN WULFHORST - REUTERS

20 Agosto 2014 | 09h 48

Policiais com equipamentos de tropa de choque ordenaram a dispersão de manifestantes em Ferguson, no Estado norte-americano de Missouri, na noite de terça-feira, e então avançaram contra a multidão para realizar prisões, o que acabou com uma relativa calma durante a 11ª noite de protestos contra a morte de um adolescente negro.

Protestos na cidade de 21 mil pessoas, na região metropolitana de St. Louis, foram marcados por saques, vandalismo e confrontos entre manifestantes e a polícia todas as noites desde que Michael Brown, de 18 anos, foi morto a tiros em 9 de agosto por um policial branco.

Líderes comunitários, políticos e autoridades municipais redobraram os apelos pela volta da ordem, na terça-feira, pedindo para que os cidadãos ficassem fora das ruas após o por do sol, mesmo que um toque de recolher tenha sido encerrado.

Nas primeiros horas após o começo da noite, os manifestantes eram notavelmente menores em número e estava, mais combalidos do que nas noites anteriores. Espectadores, ativistas civis, membros do clero e até mesmo o secretário de Justiça do Missouri, Chris Koster, uniram-se aos manifestantes.

Mas, depois que o protesto havia perdido força e a maioria dos manifestantes tinha deixado a área, alguém entre as pessoas remanescentes nas ruas arremessou uma garrafa de água de plástico contra a polícia.

Oficiais com capacetes, alguns com armamento pesado e cachorros, repentinamente emergiram do contingente policial. Eles ordenaram que os manifestantes restantes fosse embora e perseguiram aqueles que resistiram, à medida que mais garrafas eram jogadas. Diversos manifestantes foram vistos em algemas, mas o número de prisões não foi imediatamente divulgado. 

O caso de Brown deve ter novos desdobramentos nesta quarta-feira, quando o gabinete da promotoria do condado de St. Louis deve começar a apresentar evidências a um júri sobre as investigações sobre a morte do jovem.

O oficial que matou Brown, Darren Wilson, foi suspenso de suas atividades e seu paradeiro é desconhecido, à medida que a família do garoto e seus apoiadores pedem pela prisão dele. 

(Reportagem adicional de Lucas Jackson, em Ferguson; Carey Gillam, em Kansas City; Eric Beech, em Washington; e Curtis Skinner, em Nova York)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo