Peter Foley/Efe
Peter Foley/Efe

Polícia de NY diz não haver evidências do Taleban em atentado

Grupo paquistanês ligado ao Taleban assumiu autoria de ação frustrada na Times Square

estadão.com.br

02 Maio 2010 | 16h53

NOVA YORK - A Polícia de Nova York "não tem evidências" de uma possível ligação do Taleban paquistanês com o atentado frustrado na Times Square, informou o representante Ray Kelly neste domingo, 2. "Ainda que um fabricante de bombas taleban assumiu a autoria pela internet (...) não temos evidências para respaldar esta reivindicação", disse, em coletiva de imprensa.

 

Veja também:

blog Blog do Chacra: Não há segurança em Nova York

mais imagens Confira galeria de fotos do atentado frustrado

 

Kelly revelou também que um homem branco, aparentemente na casa dos 40 anos, foi identificado em filmagens da área onde aconteceu o incidente. Ele foi visto tirando uma camiseta preta, ficando apenas com uma vermelha, próximo ao veículo que continha os explosivos.

 

Talebans do Paquistão assumiram hoje em uma site islâmico que têm ligação com o carro-bomba encontrado no sábado, no que seria um ato de vingança pela recente morte de dois líderes da rede terrorista Al-Qaeda no Iraque e pelos "mártires muçulmanos."

 

A mensagem, cuja autenticidade não pôde ser comprovada, apareceu em um site frequentado por grupos islamitas do Iraque e faz referência a Abu Ayub Al-Masri e Ab Omar al-Baghdadi, mortos em 19 de abril durante uma operação antiterrorista no país árabe.

 

O governador do estado de Nova York, David Paterson, se referiu ao incidente como um "ato de terrorismo", mas as autoridades insistiram que o dispositivo não havia sido elaborado por profissionais ou pessoas bem treinadas.

 

"Por sorte, ninguém ficou ferido, e agora a cidade, o estado e as autoridades federais centram sua atenção em levar à Justiça o culpado deste ato de terrorismo", disse Paterson em uma declaração por escrito.

 

(Com informações da AP, Reuters e Efe)

Mais conteúdo sobre:
Nova York Times Square atentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.