Policial ferida interrompeu atirador em base dos EUA

Kimberly Munley deu 4 tiros no psiquiatra que abriu fogo em Fort Hood; ele teria gritado 'Deus é grande'

estadao.com.br,

06 Novembro 2009 | 12h44

A policial civil Kimberly Munley foi a autora dos 4 tiros que interromperam o ataque promovido por um atirador na base militar de Fort Hood, segundo confirmou nesta sexta-feira, 5, o general Robert W. Cone, comandante do local. Mesmo ferida, a sargento disparou contra o psiquiatra militar Nidal Malik Hasan, que abriu fogo em uma instalação médica onde soldados são submetidos a exames de rotina quando vão ou voltam de missões no exterior. Pelo menos 13 pessoas morreram e outras 30 ficaram feridas no incidente.

 

Veja também:

link Atirador de base dos EUA está vivo; mortos chegam a 13

link Muçulmano, major que abriu fogo temia envio à guerra

lista Base envia forças para Iraque e Afeganistão

video Vídeo: Câmera de segurança mostra atirador no dia do ataque (YouTube)

 

O general contou que Kimberly e sua parceira responderam ao chamado do tiroteio em menos de três minutos. A policial civil está hospitalizada e seu estado é estável. O atirador sobreviveu e está internado também em situação estável, inconsciente e respirando com o auxilio de aparelhos.

 

Vestindo uniforme militar, Hasan entrou no local por volta das 13h30 locais levando duas pistolas. Cerca de 400 pessoas estavam no prédio no momento do ataque. Em cerca de dez minutos, 12 soldados e um civil morreram e outras 30 pessoas foram feridas, incluindo o atirador - a 13ª vítima não resistiu aos ferimentos. Oficiais não descartam a possibilidade de que algumas das vítimas tenham morrido por "fogo amigo", já que no momento ataque houve uma grande confusão e intensa troca de tiros. Alguns soldados tentaram ajudar os colegas feridos usando as próprias roupas para fazer bandagens.

 

Um primo do suposto agressor, Nader Hasan, disse que ele iria servir um tempo no Afeganistão e que resistia à ordem. O atirador é um muçulmano nascido nos Estados Unidos, filho de imigrantes palestinos e foi criado na Virgínia. Ele serviu como psiquiatra no centro médico militar Walter Reed, em Washington, que trata soldados com graves ferimentos. O psiquiatra foi transferido a Fort Hood em abril e estava muito relutante em ir ao Iraque. "Sabemos pelos últimos cinco anos que esse era provavelmente seu pior pesadelo", afirmou o primo.

 

Fort Hood é considerada a maior base militar do Ocidente, de onde são enviados os contingentes americanos tanto para a guerra no Afeganistão quanto no Iraque. A base, do tamanho da cidade de Nova York, abriga mais de 50 mil militares. Pelo menos 35 mil deles estavam no local no momento do ataque. A base está situada na metade do caminho entre as cidades de Austin e Waco, no Estado do Texas.

 

O dono de uma loja de conveniência em Fort Hood afirmou à CNN que o major esteve no local na manhã do incidente para comprar café, como fazia quase todos os dias. As imagens das câmeras de segurança mostram Hassan, sete horas antes do ataque, vestido um traje tradicional árabe.

 

O FBI (a polícia federal americana) estaria investigando recentemente postagens na internet de alguém identificado como Nidal Hassan, manifestando apoio a atentados suicidas. Os investigadores disseram não poder confirmar se o autor dos comentários na internet é o major acusado de abrir fogo contra colegas na base militar do Texas.

Mais conteúdo sobre:
atirador EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.