Brasil não reconhece eleição sem Zelaya no poder, diz Amorim

Chanceler criticou recuo no acordo em Honduras; governo de facto quer equipe sem ministros do líder deposto

estadao.com.br,

06 Novembro 2009 | 15h07

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou na quinta-feira, 5, que o Brasil não reconhecerá as eleições presidenciais de Honduras, marcadas para o dia 29 de novembro, caso o presidente deposto do país, Manuel Zelaya, não seja restituído. A declaração do ministro brasileiro ocorreu no encontro de chanceleres da América Latina na Jamaica, onde o recuo das negociações em Honduras foi criticado, segundo a Agência Brasil.

 

Veja também:

OEA pede cumprimento 'sem subterfúgios' do acordo

EUA ainda apoiam eleição como parte de pacto em Honduras

lista Entenda a crise e os principais pontos do acordo

especial Especial: O impasse em Honduras   

 

Amorim referiu-se ao anúncio da quinta-feira de Roberto Micheletti, líder do governo de facto hondurenho, de que criaria um governo de unidade sem integrar ministros de Zelaya, descumprindo assim o acordo firmado entre as partes na última semana.

 

"O que está em jogo é a democracia no continente e a credibilidade do sistema interamericano", afirmou Amorim, no seu discurso. "É indispensável o retorno de Zelaya em tempo hábil. O Brasil e muitos países da região não reconhecerão eleições sem que isso ocorra", completou.

 

Assim como Amorim, os chanceleres da Argentina, Venezuela e de Cuba foram contundentes nas suas intervenções. A presidente da reunião de ministros, a chanceler mexicana, Patrícia Espinosa, afirmou que a manifestação conjunta seria fundamental para consolidar a posição dos países em defesa da busca pela manutenção do acordo de outubro e o fim do impasse em Honduras.

 

Há 46 dias, Zelaya e um grupo de simpatizantes estão abrigados na embaixada do Brasil em Tegucigalpa (Honduras). O governo do Brasil se mantém em defesa do retorno do presidente deposto ao poder e contrário a quaisquer atos associados à tentativa de golpe político.

Mais conteúdo sobre:
Amorim Honduras Micheletti Zelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.