Casal Kirchner é a dupla com pior imagem política na Argentina

Pesquisa publicada pelo Clarín indica que eleitores não apostam em nova vitória de mandatária e marido em 2011

Ariel Palácios, de O Estado de S. Paulo,

13 Novembro 2009 | 12h13

A presidente Cristina Kirchner e seu marido e antecessor, Néstor Kirchner (2003-2007), são considerados os políticos em atividade na Argentina com a pior imagem pública. Isso é o que indica uma pesquisa realizada pela consultoria Management & Fit, que sustenta que a presidente Cristina possui somente 20,1% de aprovação popular. Kirchner contaria com apenas 19,7%. A imagem negativa de Cristina é de 59,8%, enquanto que a de seu marido é levemente pior, de 61,3%.

 

Diversas pesquisas indicavam que em 2007, quando foi eleita, Cristina contava com 55% de aprovação popular, enquanto que seu marido Néstor ostentava mais de 70%. Os analistas destacam que em menos de dois anos o casal presidencial dilapidou seu capital político.

 

O mandato de Cristina Kirchner conclui em dezembro de 2011. Mas, diversas especulações no âmbito governamental sustentam que o casal ambiciona um novo período na Casa Rosada. Os rumores indicam que Kirchner, que nesta semana reassumiu o cargo de presidente do partido do governo, o Justicialista (Peronista), pretenderia ser candidato à sucessão da esposa.

 

No entanto, segundo a pesquisa da Management & Fit, as chances de um novo mandato para qualquer um dos dois integrantes do casal Kirchner são escassas. Do total de entrevistados, 67,7% afirmaram que os Kirchners não possuem chances de permanecer no poder mais além de 2011.

 

Somente 24,4% consideram que o governo teria chances de emplacar um novo mandato.

O político com melhor imagem é o vice-presidente da República, Julio Cobos, que desde julho do ano passado afastou-se da presidente Cristina Kirchner e adotou uma postura de oposição ao governo. Cobos, segundo a pesquisa, possui 54,8% de aprovação popular. Sua imagem negativa é de somente 16,2%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.