Congresso hondurenho irá consultar Corte sobre restituição

Decisão contraria exigência de Zelaya e adia convocação de sessão chave para debater o futuro do líder

Gustavo Palencia, da Reuters ,

03 Novembro 2009 | 19h23

Os líderes do Congresso de Honduras decidiram nesta terça-feira, 3, pedir a opinião da Suprema Corte sobre a possibilidade de restituir o presidente deposto Manuel Zelaya, adiando a convocação de uma sessão chave para debater o futuro do líder.

 

Veja também:

link Junta do Congresso de Honduras debate restituição de Zelaya

lista Entenda a crise e os principais pontos do acordo em Honduras

especial Especial: O impasse em Honduras   

 

A decisão, informada à Reuters por dois parlamentares, desafia o acordo fechado na semana passada entre os negociadores de Zelaya e do governo de facto, sob a mediação de Washington, cujo ponto central é que o Congresso decida sobre a volta ao poder do mandatário deposto.

 

Zelaya disse que se até quinta-feira não for restituído no poder, a comunidade internacional não reconheceria as eleições gerais convocadas para 29 de novembro. O pleito poderia acabar com a pior crise política na América Central em décadas.

 

O acordo também prevê a formação nesta semana de um governo de unidade nacional, mas o prazo depende da decisão dos líderes parlamentares.

 

A Suprema Corte, cuja opinião não está vinculada à do Congresso segundo o acordo, declarou anteriormente que o golpe de Estado que destituiu Zelaya no fim de junho foi legal devido ao fato de o mandatário ter violado a Constituição ao querer forçar a reeleição presidencial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.