Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Criticado pelo PT, chanceler israelense encontra Serra em SP

Secretário de Relações Internacionais do partido chamou Lieberman de 'fascista'; governador busca cooperação

Carolina Freitas, da Agência Estado,

21 Julho 2009 | 19h32

Em uma missão de reaproximação entre Israel e América Latina, o chanceler israelense Avigdor Lieberman fez nesta terça-feira, 21, sua primeira parada no Brasil. Ele foi recebido à tarde pelo governador de São Paulo, José Serra (PSDB), no Palácio dos Bandeirantes, na Capital. Criticado pelo secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar, partido do presidente da República, que o receberá na quarta-feira, em Brasília, Lieberman recusou-se a falar com a imprensa ao deixar o Palácio.

 

Veja também:

linkFuncionário do PT chamou chanceler de 'fascista'

blog Blog do Guterman: Visita de Avigdor Lieberman ao Brasil é irrelevante

 

No encontro reservado com o governador, Lieberman fez uma apresentação da visão israelense a respeito dos conflitos do Oriente Médio. O ex-ministro de Relações Exteriores Celso Lafer, atual presidente da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), participou da reunião e relata: "Ele fez uma exposição da visão dele, sobre a dicotomia entre extremistas e moderados."

 

A conversa, que durou 1h15, foi preenchida também com intenções por parte do governo de São Paulo de firmar cooperações na área de tecnologia, agricultura, saneamento e pesquisa. Serra falou a Lieberman sobre a experiência dos medicamentos genéricos no País. Participaram do encontro o secretário paulista de Agricultura e Abastecimento, João Sampaio, e o presidente da Companhia de Saneamento e Abastecimento do Estado (Sabesp), Gesner de Oliveira.

 

Na comitiva israelense vieram o embaixador de Israel no Brasil, Giora Bechier, a embaixadora na América Latina, Dorit Shavit, e a deputada Ruhama Balila. Serra presenteou Lieberman com uma caixa de canetas de madeira, feitas pelo artista plástico brasileiro André Petry. O governador recebeu um sacola preta de papel das mãos do israelense, mas não a abriu diante dos visitantes, segundo relato de um dos participantes do encontro.

Mais conteúdo sobre:
Lieberman Serra Israel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.