1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Força militar da Colômbia pode vencer guerrilheiros se processo de paz falhar, diz comandante

LUIS JAIME ACOSTA - REUTERS

03 Setembro 2014 | 21h 41

As forças armadas colombianas podem derrotar a guerrilha militarmente se as negociações de paz para encerrar mais de meio século de conflito armado fracassarem, disse nesta quarta-feira o principal comandante militar do país.

Por quase dois anos, o governo do presidente Juan Manuel Santos e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) negociam em Cuba um acordo para acabar com a guerra interna que deixou mais de 200.000 mortos.

"Se por uma infeliz situação não for alcançado o objetivo de dar um fim ao conflito, as Forças Armadas estão capacitadas, e continuaremos sem vacilar com o cumprimento da nossa missão", disse em entrevista à Reuters o comandante das Forças Armadas, o general Juan Pablo Rodriguez .

"Vamos continuar com o processo de neutralização destes grupos terroristas até dizimar significativamente sua capacidade e transformá-los em grupos totalmente irrelevantes, que não afetam a segurança e o desenvolvimento do país", acrescentou.

Apesar de participarem da mesa de negociação, as Forças Armadas - que têm efetivo de cerca de 276 mil homens - continuam lutando nas selvas e montanhas contra as Farc, que têm cerca de 8.000 combatentes, diante da recusa do presidente para um cessar-fogo proposto pelos rebeldes.

Santos acredita que suspender a ofensiva militar também poderia prolongar as negociações e dar espaço para os rebeldes se fortalecerem militarmente.

Mas embora as Farc tenham perdido vários chefes importantes e sofrido deserções, elas ainda têm musculatura para orquestrar ataques como os feitos recentemente em oleodutos.

Analistas políticos estão convencidos de que a solução para o conflito mais antigo do hemisfério deve ser negociada.

"Não seremos nenhum obstáculo para a paz, mas sim sentinelas perenes para a soberania, integridade territorial e ordem interna", disse Rodriguez, que passou 35 dos seus 55 anos lutando contra os guerrilheiros.

Desde que as negociações começaram os militares têm ficado longe dos holofotes e raramente são mencionados no processo de paz.

Recentemente, um grupo de militares foi incorporado ao processo de negociação com a guerrilha. Pela primeira vez, os rivais no campo de batalha sentaram-se frente a frente para discutir a espinhosa questão de desmobilização e entrega de armas.

No processo de diálogo, as partes chegaram a acordos para fornecer acesso à terra para os pobres em áreas rurais, sobre as garantias para a participação política dos rebeldes e sobre os mecanismos de combate ao tráfico de drogas a partir da erradicação de cultivos de coca.

Atualmente, eles negociam a compensação das vítimas do conflito, que também deixou milhões desabrigados.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo