Governo da Colômbia confirma que Farc estabeleceram bases no Brasil

Para governo vizinho, cooperação entre dois países é essencial para combater o narcotráfico

Efe

19 Maio 2010 | 12h53

BOGOTÁ - O Governo colombiano garantiu nesta quarta-feira, 19, que, no Brasil, há presença de redes de narcotráfico e logística das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

 

Veja também:

especialEspecial: Por dentro das Farc

linkBogotá pede extradição de guerrilheiro no Brasil

 

"Temos informações de que o território brasileiro é usado por redes de narcotráfico e logística das Farc, assim como o de muitos outros países", declarou o ministro de Defesa colombiano, Gabriel Silva, à "Caracol Radio".

 

Segundo ele, as autoridades brasileiras estão começando o difícil processo de entender a presença das Farc e do narcotráfico no território nacional. Tal processo se dá com o compartilhamento de informações entre os dois países.

 

Gabriel Silva acrescentou que o rio Amazonas e "uma cidade de porto livre como é Manaus" são usados para facilitar o tráfico de drogas e a logística das Farc. "Isso é uma realidade", ressaltou o ministro, lembrando as recentes prisões de colombianos vinculados à guerrilha no Rio de Janeiro.

 

Silva destacou também o diálogo e a colaboração "cada vez mais próxima" que tem a Colômbia com o Brasil na luta contra as guerrilhas e o narcotráfico.

 

O Estado divulgou no fim de semana passado um documento secreto da Polícia Federal que alerta para o fato de que as Farc estão baseadas na selva brasileira e são financiadas com a venda de drogas e abastecimento de equipamentos que são enviados para a Colômbia.

 

O documento está baseado na investigação que levou à prisão do colombiano José Samuel Sánchez, acusado de pertencer ao grupo guerrilheiro.

 

Sánchez foi preso junto com outras sete pessoas, com as quais formava um grupo dedicado ao tráfico de cocaína que, segundo a polícia brasileira, teria contatos diretos com as Farc para obter drogas armas e apoio logístico.

 

O assessor para assuntos internacionais de Lula, Marco Aurélio Garcia, disse na terça em Madri que, se é certo que há membros da Farc em seu país, é certo também que serão detidos.

 

Garcia disse não ter informações do documento difundido pelo Estado, mas enfatizou que as Forças Armadas de São Paulo "estão bem qualificadas para eliminar esse tipo de ameaça".

 

Já o ministro de Interior e Justiça colombiano, Fabio Valencia, pediu ao Brasil que "não permita que seu território seja mantido como abrigo dos narcoterroristas".

Mais conteúdo sobre:
Colômbia Brasil Farc guerrilha narcotráfico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.