Christian Escobar Mora/EFE
Christian Escobar Mora/EFE

Guerrilheiros das Farc chegam a zonas de desarmamento na Colômbia

Estimativa é que até esta quarta-feira, 1º, mais de 6 mil combatentes entreguem as armas e comecem a se reinserir na vida civil

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2017 | 02h58

BOGOTÁ - As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) avançaram nesta terça-feira, 31, em sua "última marcha", como o governo denominou o traslado dos guerrilheiros aos locais onde em no máximo seis meses deverão ser deixadas as armas após mais de meio século de conflito armado.

"No dia de hoje (terça-feira), 4.329 homens das FARC entraram nas zonas de desarmamento e esperamos que até esta quarta-feira (1º) se complete o traslado dos 2 mil combatentes restantes", afirmou, em coletiva de imprensa, o Alto Comissário para a Paz, Sergio Jaramillo.

De acordo com Jaramillo, 6,3 mil guerrilheiros, e não 5,8 mil como inicialmente o grupo rebelde havia estimado, devem se dirigir às 26 zonas em todo o país onde, sob a supervisão da ONU, devem se desarmar e preparar para a reinserção na vida civil.

Em botes e canoas a partir de lugares remotos, a pé ou em caminhões por inóspitas estradas, os combatentes das Farc carregam seus poucos pertences, em muitos casos acompanhados por seus animais de estimação.

A concentração das tropas da maior e mais antiga guerrilha do país estava prevista para 31 de dezembro no acordo de paz firmado no mês anterior, porém foi postergado para 31 de janeiro por problemas logísticos.

O presidente Juan Manuel Santos, vencedor do Nobel da Paz de 2016, reconheceu o "desafio" de adequar os lugares, pela dificuldade de acesso e falta de infraestrutura.

O chefe das Farc, Rodrigo "Timochenko" Londoño, propôs na semana passada adiar novamente a data da chegada dos homens das Farc aos campos de de desarmamento, porque em ao menos três deles ainda não havia nada construído e outros três careciam de eletricidade e água.

Segundo informe apresentado nesta terça-feira pela Fundação Paz e Reconciliação, uma ONG que investiga o conflito colombiano, somente um dos pontos de de desarmamento, o de Anori, no departamento de Antioquia, estava totalmente pronto para receber os rebeldes.

"A preparação das zonas de de desarmamento está entre 30% e 35%", afirmou o diretor da organização, León Valência.

As caminhadas, acompanhadas pela ONU e o governo, começaram no sábado, 28, e devem terminar nos próximos dias.

"Não tivemos um só incidente grave", afirmou Jaramillo, ao celebrar este avanço como um passo "extraordinário" na implementação da paz.

O funcionário da ONU, plenipotenciário nas negociações de paz desenvolvidas durante quatro anos em Cuba, reiterou que no momento não está contemplada a chegada às zonas de concentração de milicianos das Farc, que segundo estimativas oficiais seriam entre um e três para cada combatente.

Jaramillo também detalhou que os guerrilheiros presos que estão recebendo anistias e indultos poderão igualmente ir às zonas de de desarmamento para se beneficiarem dos projetos previstos.

Término. Após o fim do conflito com as Farc, o governo de Santos espera agora conseguir a "paz completa", com um pacto com o Exército de Libertação Nacional (ELN), última guerrilha ativa no território colombiano.

Para isto, ambas as partes se apressam para lançar negociações formais em 7 de fevereiro em Quito, após três anos de conversas confidenciais. Está prevista para esta quinta-feira, 2, a libertação do ex-congressista Odin Sánchez, sequestrado desde abril, e o indulto a dois combatentes.

No entanto, o ELN anunciou nesta terça que tem em seu poder um soldado que o Exército reportou como desaparecido dias atrás no departamento de Arauca, na fronteira com a Venezuela. O governo colombiano não se pronunciou sobre o tema. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.