Jorge Cabrera/Reuters
Jorge Cabrera/Reuters

Irmã do presidente de Honduras morre em queda de helicóptero

A aeronave com seis pessoas a bordo decolou de Tegucigalpa e iria para a cidade de Comayagua; todos morreram

EFE

16 Dezembro 2017 | 20h54

TEGUCIGALPA - Um helicóptero que levava a irmã do presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, e outras cinco pessoas caiu neste sábado, 16, próximo da capital Tegucigalpa. Todos os ocupantes morreram.

A aeronave, um Ecureuil AS350 B3 decolou neste sábado, 16, da capital do país, às 9h34 locais (13h34 em Brasília), com destino a Comayagua. Segundo um comunicado do governo local, o acidente ocorreu em decorrência de dificuldades climáticas.      

Estavam no helicóptero outras cinco pessoas, além da irmã do presidente, Hilda Hernandez : a capitã de Infantaria Patricia Valladares, os seguranças Nahun Lagos e Marcos Banegas, o tenente de aviação Iván Vásquez (piloto) e o subtenente Gerson Díaz (copiloto).

+++ Governos de 8 países apoiam recontagem de votos em Honduras

Segundo as informações divulgadas pela Força Aérea de Honduras, 13 minutos depois da decolagem, a torre de controle recebeu uma comunicação do helicóptero. O piloto informou que estava voando a 10 mil pés, a 11 milhas náuticas ao oeste do aeroporto da capital.

A previsão era que a aeronave chegasse às 9h55 locais (13h55 em Brasília) à cidade de Comayagua, no departamento de mesmo nome. "Os restos da aeronave foram localizados a nenhum sobrevivente foi encontrado", disse, em nota, a força aérea de Honduras.

+++ Candidato opositor em Honduras não reconhece resultado de eleição

Hilda Hernandez tinha 51 anos e era uma conselheira próxima do seu irmão, chegando a ocupar o cargo de secretária de comunicação do governo.

O vice-presidente de Ho0nduras, Ricaro Álvarez, se manifestou sobre o incidente para jornalistas locais. Segundo ele, é díficl acreditar no que aconteceu. "Custo a crer pela qualidade de ser humano que era a Hilda, assim com as outras seis pessoas (que estavam no helicóptero e) que eu também conhecia". /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.