Para fechar acordo, comissão exige restituição até quinta-feira

Patricia Rodas afirma que ponto 5 do Tratado estabelece que Zelaya volte ao cargo amanhã, dia 5 de novembro

Efe,

04 Novembro 2009 | 19h35

A ministra das Relações Exteriores do Governo deposto de Honduras, Patricia Rodas, afirmou nesta quarta-feira, 4, que não aceitará o Acordo Tegucigalpa-San José, assinado também pelo presidente interino, Roberto Micheletti, se Manuel Zelaya não for restituído na quinta-feira, 5, ao poder.

 

Veja também:

link Presidente deposto de Honduras pede explicações aos EUA

link Atraso ameaça pacto em Honduras

link Zelaystas pressionam Congresso 

lista Entenda a crise e os principais pontos do acordo em Honduras

especial Especial: O impasse em Honduras   

 

"Essas horas são cruciais, estamos esperando que o Congresso restitua amanhã, 5 de novembro, Zelaya, como ficou estabelecido no ponto 5 do acordo. Caso isso não se cumpra, não aceitaremos o acordo e não haverá reconhecimento do processo eleitoral", afirmou Rodas em coletiva de imprensa na Embaixada de Honduras na Nicarágua.

 

Essa parte do acordo indica que o Congresso deve decidir se aceita retroceder a chefia do Poder Executivo "a seu estado prévio a 28 de junho" e mantê-la assim até 27 de janeiro de 2010, quando expira o atual período governamental.

 

Zelaya foi deposto em um golpe de Estado em 28 de junho passado e tirado do país à força por militares.

 

Em 29 de novembro próximo, os hondurenhos estão convocados às urnas para escolher o presidente, que ficará no cargo até 2014.

 

Segundo o Acordo Tegucigalpa-San José, qinta-feira, 5, deverá ser formado um Governo de unidade e reconciliação nacional.

Mais conteúdo sobre:
Honduras Zelaya Micheletti

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.