1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Visão Global; análises e comentários de especialistas

Começa a troca de socos e pontapés

- Atualizado: 31 Janeiro 2016 | 05h 00

Primarias dos partidos Republicano e Democrata nos EUA colocam populistas de esquerda e direita em evidência

Músculos à mostra, os rivais entram no ringue. Insultos furiosos estão à flor da pele. Amanhã os eleitores do Estado de Iowa comparecem ao primeiro round da campanha presidencial americana. Na semana que vem, será a vez dos eleitores de New Hampshire. De lá, a disputa segue para a Super Terça, no dia 1.º de março, quando ocorrerão primárias em 13 Estados, e, mais adiante, para as convenções partidárias de julho. É o maior torneio eleitoral do planeta. Mas ele não está saindo conforme o planejado.

De um lado a outro dos Estados Unidos, o que se vê são elites políticas e eleitores moderados de queixo caído. Hillary Clinton, cuja posição no establishment americano não é menos sólida que a do Monumento a George Washington, está sendo pressionada por Bernie Sanders, um irritadiço senador do Estado de Vermont, que se define como “socialista democrático”. À direita, o pelotão dos que fazem uso da razão - Jeb Bush, Marco Rubio, John Kasich, entre outros - foi posto a nocaute pelas tiradas de Ted Cruz e pelo palavrório de Donald Trump.

Tudo indicava que os eleitores escolheriam entre um Bush e uma Clinton - num pleito que parecia levar mais jeito de coroação do que eleição. Em vez disso, um bando de outsiders pôs de pernas para o ar a disputa pelo cargo mais poderoso da Terra, num levante sem igual nos últimos 50 anos. O que deu em vocês, ianques?

Mais fortes e despudorados. Os EUA não são o único país em que o establishment foi às cordas. O Partido Trabalhista britânico está nas mãos de um sujeito de posições muito à esquerda de Sanders. Na França, a Frente Nacional, de extrema direita, foi o partido mais votado no primeiro turno das recentes eleições regionais. Os populistas lideram as pesquisas eleitorais na Holanda e estão no governo na Polônia e na Hungria. Na Suécia, terra do politicamente correto, os xenófobos agora têm 30% das preferências.

Como ocorre com eleitores de todo o Ocidente, os americanos estão furibundos - frequentemente, pelos mesmos motivos. Faz anos que a maioria deles diz aos institutos de pesquisa que o país caminha na direção errada. A média dos salários está estagnada - ainda que nas faixas de renda mais altas, a remuneração tenha alcançado níveis estratosféricos. Angústias culturais somam-se às aflições econômicas: pesquisa realizada em 2015 pelo Pew Research Centre revela que os indivíduos brancos e cristãos tornaram-se minoritários nos EUA. E, nos últimos meses, o medo do terrorismo acrescentou um ingrediente ameaçador ao caldeirão populista.

Ainda que a tendência seja generalizada, entre os americanos o apelo do populismo é especialmente potente. Os europeus já estão acostumados com seu declínio relativo. Na condição de única superpotência, os EUA se melindraram com a ascensão da China e o avanço de um jihadismo proveniente de áreas do Oriente Médio que o país tentou a tanto custo (de vidas e recursos financeiros) pacificar. Quando Trump promete “tornar a América grande de novo” e Cruz diz que a areia do Iraque e da Síria vai “arder no escuro”, os dois estão evocando o momento, logo após a derrocada da União Soviética, em que os EUA desfrutavam de um poder sem limites.

Uma segunda razão é que, nos EUA, os outsiders canalizam indignação popular para o interior de um duopólio político. Na Europa, Trump e Sanders teriam os próprios partidos de protesto, que enfrentariam grandes dificuldades para chegar ao governo. Já o bipartidarismo americano absorveu Sanders, que se filiou ao Partido Democrata no ano passado, e Trump, que retornou ao Partido Republicano em 2009. Se vencerem as primárias, ambos terão o controle de máquinas políticas organizadas para catapultá-los à Casa Branca.

Uma terceira explicação, relacionada à anterior, é que as elites não têm como manter a estridente democracia americana totalmente sob controle. As insurgências populistas estão inscritas no código-fonte de um Estado que nasceu da revolta contra uma elite distante e arbitrária. 

O colégio eleitoral retira poder do centro e o devolve às extremidades do sistema. As primárias atraem os 20% de eleitores que mais se interessam por política. Candidatos de bolsos fornidos - com recursos próprios, no caso de Trump, ou de terceiros, no caso de Cruz - podem fazer pouco dos dirigentes partidários.

É por isso que os candidatos populistas e antiestablishment fazem aparições frequentes nas campanhas presidenciais americanas. No entanto, na medida em que o espetáculo avança e os eleitores relutantemente se conformam com a realidade, a tendência é de que percam fôlego. 

Em geral, isso ocorre ainda no início da campanha - Pat Buchanan, o republicano incendiário que prometeu fazer uma “revolta do ancinho” em 1996, chegou a vencer as primárias de New Hampshire, mas em fins de março já estava fora do páreo. 

Nos raros casos em que conquistaram a indicação de seus partidos, os insurgentes malograram fragorosamente na eleição propriamente dita: Barry Goldwater perdeu em 44 dos 50 Estados em 1964. Os que se lançaram como candidatos independentes (como fez Ross Perot em 1992) também fracassaram - constatação não muito auspiciosa para Michael Bloomberg, que, segundo rumores, estaria disposto a autofinanciar uma candidatura nesses moldes.

Cenário. Para os democratas, é provável que a história se repita em 2016. Mesmo que Sanders vença em Iowa e New Hampshire, são reduzidas as chances de que ele consiga se manter como candidato viável quando a campanha chegar ao sul do país. Hillary dispõe de recursos financeiros, é experiente e conta com o apoio dos democratas negros. Em termos nacionais, as pesquisas dão a ela 15 pontos de vantagem na corrida pela indicação do partido à candidatura.

Para os republicanos, porém, as coisas podem ser realmente diferentes desta vez. Goldwater só disparou na liderança quando as primárias estavam no fim. Trump hipnotiza os republicanos que comparecem a seus comícios - e vem sendo recompensado por isso com o primeiro lugar nas pesquisas - desde julho. Alguns figurões do partido, cuja aversão a Cruz é ainda maior que a ojeriza que sentem por Trump, passaram a apoiar o bilionário. É possível que, na hora H, a escolha dos eleitores republicanos não recaia sobre nenhum dos dois populistas; talvez os ataques que um vem lançando contra o outro acabem por destruí-los mutuamente; quem sabe a elite do partido ainda consiga lançar um contra-ataque com o que resta dos US$ 100 milhões que Bush arrecadou para financiar sua campanha. O fato, porém, é que, no momento, ambos parecem ter chances reais de chegar à convenção e, a menos que sejam alvejados por algum conchavo de bastidor, até mesmo de conquistar a indicação do partido.

Empate técnico. Tal possibilidade causa calafrios. As propostas econômicas de Trump e Cruz carecem de coerência; suas ideias políticas são bisonhas. Nenhum dos dois é digno de confiança. Apesar disso, basta que o nome de um deles esteja nas cédulas que os eleitores americanos depositarão nas urnas em novembro para que o perigo de a Casa Branca cair em suas mãos seja real.

Nos últimos tempos, o eleitorado americano está dividido ao meio, fazendo com que as eleições sejam decididas por poucos votos em meia dúzia de Estados. Hillary não é boa de campanha; Trump e Cruz, são. Na concepção de suas “políticas”, Trump se inspira indiscriminadamente à direita e à esquerda e pode muito bem conquistar votos apelando descaradamente ao centro. Numa disputa apertada, um atentado terrorista, ou um escândalo que venha à tona poucos dias antes da eleição, pode ser decisivo.

O pessimismo em relação à situação dos EUA é equivocado. Economicamente, o país está melhor do que qualquer outra nação desenvolvida. Os índices de desemprego são baixos; os de criminalidade também. Mas os republicanos mais moderados passaram os últimos anos dirigindo ataques tão despropositados a Barack Obama que agora não têm o que dizer diante das barbaridades proferidas por Trump e Cruz. Se há alguém que deve lamentar o espetáculo dos próximos meses, são eles. / TRADUÇÃO DE ALEXANDRE HUBNER

Visão Global; análises e comentários de especialistas
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX