Joe Raedle/AFP
Joe Raedle/AFP

Democratas se enfrentam em seu 1º debate das primárias dos EUA

Encontro de hoje será importante para Hillary Clinton, favorita na disputa, falar sobre escândalos que ameaçam sua candidatura

AP

13 Outubro 2015 | 06h27

WASHINGTON - Os pré-candidatos democratas à Casa Branca realizam hoje, em Las Vegas, o primeiro debate da temporada de primárias do partido. No palco, com transmissão da CNN, estarão Hillary Clinton, líder nas pesquisas e favorita para obter a vaga de candidata, o senador Bernie Sanders, que vem crescendo, mas sem ameaçar a ex-secretária de Estado, e os azarões Martin O’Malley, ex-governador de Maryland, Lincoln Chaffee, senador por Rhode Island, e Jim Webb, ex-senador por Virgínia – os três com números irrisórios nas sondagens.

O grande ausente é o vice-presidente Joe Biden, que ainda não decidiu se entra ou não na disputa. Alguns democratas temem que a candidatura de Hillary, envolvida em escândalos, perca o fôlego até as eleições presidenciais, em novembro de 2016. Por isso, muitos defendem um plano B, que seria o vice de Barack Obama.

O encontro de hoje é considerado importante para que a ex-secretária de Estado mantenha a ponta nas pesquisas, já que Sanders têm ampliado a base de apoio em Estados estratégicos – como Iowa e New Hampshire, que iniciam a temporada de primárias, em janeiro. Na tentativa de se aproximar da crescente parcela progressista do Partido Democrata, Hillary tem defendido publicamente bandeiras históricas de Sanders, que se apresenta como socialista. 

O debate de hoje é uma oportunidade também para que ela contorne os problemas de popularidade e detalhe suas propostas de campanha, ofuscadas pela crise em torno do uso de seu e-mail pessoal para tratar de assuntos do Departamento de Estado, no período em que chefiou a pasta, entre 2009 e 2013. 

De acordo com a média de vários institutos de pesquisa, elaborada pelo site Real Clear Politics, Hillary lidera a disputa democrata com 42% das intenções de voto. Sanders vem atrás, com 25%. Os outros três candidatos não ultrapassam a barreira de 1%.

Confronto. O grande drama dos democratas, no entanto, são as eleições gerais de novembro, quando o candidato do partido enfrentará o republicano, também escolhido em prévias. Hillary sempre liderou com folga o confronto contra qualquer candidato do partido rival. 

Nas últimas semanas, no entanto, ela começou a cair lentamente e passou a ser ameaçada por alguns nomes, como Jeb Bush e Marco Rubio. A única boa notícia para a ex-secretária de Estado é que ela ainda vence com folga um confronto direto com Donald Trump, atual líder da corrida presidencial republicana.

Mais conteúdo sobre:
Eleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.