Reprodução/GoFundMe/Valerie Plame
Reprodução/GoFundMe/Valerie Plame

Ex-espiã da CIA abre vaquinha online para comprar Twitter e expulsar Trump

Valerie Plame alega que, com um único tweet, o presidente dos EUA pode alimentar o risco de guerras, espalhar notícias falsas e encorajar supremacistas a saírem às ruas, por exemplo

Associated Press, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 02h08

WASHINGTON – A ex-espiã da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) Valerie Plame Wilson está promovendo um crowdfunding - uma vaquina online - para levantar verba suficiente para comprar o Twitter e banir Donald Trump da rede social. O argumento é de que, “se os executivos do Twitter não tiram do ar a violência e o ódio de Trump, depende de nós”, segundo a descrição da página.

A meta é angariar US$ 1 bilhão, mas Valerie ressalta que há possibilidade de comprar parte das ações da empresa para ter influência interna e propor que o perfil do presidente dos EUA seja banido. Até o final desta quarta-feira, 23, haviam sido doados cerca de US$ 30 mil.

A vaquinha criada através da plataforma GoFundMe alega que os tweets de Trump “prejudicam o país e colocam a população em perigo”. A ex-agente ressalta principalmente as ameaças em relação a uma guerra nuclear contra a Coreia do Norte. "Com um único tweet, ele pode prejudicar relações internacionais e alianças, espalhar notícias falsas como a de um vírus, encorajar supremacistas brancos a marchar pelas ruas ou provocar altas e baixas em bolsas de valores", afirma a organizadora.

Em nota, a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee, disse que o apoio reduzido à vaquinha mostra que “o povo americano gosta do uso que o presidente faz do Twitter”. “A tentativa ridícula de censurar a liberdade de expressão é a única iniciativa de ódio e intolerância nesta equação”, diz o comunicado enviado à agência Associated Press (AP).

De acordo com as cotações desta quarta-feira, a parte majoritária das ações do Twitter custa cerca de US$ 6 bilhões. Ainda assim, se conseguir investir US$ 1 bilhão, Valerie pode se tornar a maior acionista da empresa e teria uma posição importante o suficiente para exercer influência entre os executivos. Procurado pela AP, o Twitter se negou a comentar o assunto.

Caso Plame-Wilson. Valerie Plame Wilson ficou conhecida mundialmente após um escândalo de vazamento de informações durante o governo de George W. Bush, em 2003. A identidade da espiã da CIA - que seria um segredo de Estado - foi vazada por um oficial da administração de Bush que tentava prejudicar o marido dela, o diplomata e ex-embaixador Joe Wilson.

Na época, ele criticava a decisão do presidente de invadir o Iraque. Em um artigo publicado pelo jornal The New York Times, Wilson afirmou que, com base em sua experiência como membro da administração Bush nos meses que precederam a guerra, ele "não tinha outra alternativa se não concluir que parte do trabalho de inteligência relacionado ao programa nuclear do Iraque foi distorcida para exagerar a ameaça que o país representava para os EUA". / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.