Keiny Andrade/AE
Keiny Andrade/AE

Médica é acusada de mutilar genitália de crianças entre 6 e 12 anos

Denúncia aconteceu em Livonia, no Estado americano de Michigan, onde há uma comunidade muçulmana

New York Times, O Estado de S.Paulo

13 Abril 2017 | 23h51

A médica Jumana Nagarwala, de 44 anos, foi presa na quarta-feira, 12, depois de ser acusada de mutilação de órgãos genitais de duas meninas de 7 anos. O tráfico de menores com intuito de atividade sexual é outro ponto na denúncia contra a médica. Se for considerada culpada, Jumana enfretará prisão perpétua. 

"A Dra. Nagarwala é acusada de cometer crimeis horríveis contra as vítimas mais vulneráveis", disse Kenneth A. Blanco, do Departamento de Justiça na quinta-feira, 13. "O Departamento de Justiça assume o compromisso de usar todo o poder da lei para assegurar que nenhuma garota sofrerá abuso físico ou emcional", afirmou Blanco.

Jumana faz parte da Gujarati, comunidade muçulmana que tem representantes no Estado de Michingan. Segundo o FBI, as meninas teriam sido levadas pela mãe até a médica Jumana. 

A mutilação da genitália feminina é proibida nos Estados Unidos desde 1996. A médica nega qualquer envolvimento com a prática.  

 

Mais conteúdo sobre:
FBI Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.