Assine o Estadão
assine

Internacional

EUA

Superterça consolida liderança de Hillary e Trump em prévias

Números indicam que ex-secretária de Estado confirma favoritismo contra Sanders entre os democratas; bilionário amplia chance de conquistar candidatura republicana à presidência, embora Ted Cruz, vencedor em dois Estados, se mantenha vivo na disputa

0

Cláudia Trevisan, correspondente / Washington ,
O Estado de S. Paulo

02 Março 2016 | 02h20

Hillary Clinton se aproximou na terça-feira 1 da candidatura do Partido Democrata à presidência dos EUA, enquanto o republicano Donald Trump venceu na maioria dos Estados que votaram na Superterça, consolidando sua posição de favorito para vencer a disputa interna da legenda. A surpresa da noite foi o senador Ted Cruz, que venceu no Texas e em Oklahoma e se credenciou como o grande adversário do empresário do setor imobiliário.

Tanto Trump quanto Cruz representam candidaturas insurgentes dentro do Partido Republicano, rejeitadas pelas lideranças tradicionais. Última esperança do establishment, o senador Marco Rubio ganhou em apenas 1 dos 12 Estados que realizaram prévias na terça, o que fragilizou sua posição como alternativa viável a Trump. Em entrevista à CNN, ele afirmou que continuará na disputa e disse que o mapa das próximas primárias é mais favorável à sua candidatura do que o de terça, dominado por Estados evangélicos do Sul. 

Mais conservador dos senadores americanos, Cruz ocupa a extrema direita do espectro ideológico republicano, com um discurso de rejeição quase absoluta à intervenção do Estado na vida dos cidadãos. Na noite de terça, ele fez um apelo aos outros republicanos para que desistam de suas candidaturas e se unam em torno de seu nome contra o bilionário.

“Nossa campanha é a única que pode derrotar Donald Trump”, declarou Cruz, que se referiu ao empresário como “profano e vulgar”. Segundo ele, o bilionário é parte da corrupção de Washington há 40 anos. 

Em discurso na Flórida, Trump se apresentou como o símbolo de um novo movimento republicano, que busca atrair eleitores democratas e independentes. E prometeu ir “atrás de Hillary” quando a disputa interna estiver resolvida. O bilionário também ironizou Rubio, que nos últimos dias se converteu em seu mais agressivo crítico. “Foi uma noite difícil para Marco Rubio”, afirmou. “Ele é um peso-pena.”

Comentários