Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Ted Cruz vence Trump em 1ª prévia dos republicanos nos EUA

Internacional

REUTERS/Jim Young

Ted Cruz vence Trump em 1ª prévia dos republicanos nos EUA

Pesquisas de intenção de voto na corrida presidencial indicavam vitória de bilionário, que quase perdeu segundo lugar no resultado em Iowa

0

Cláudia Trevisan - Correspondente / Washington,
O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2016 | 05h23

O senador texano Ted Cruz ultrapassou o bilionário Donald Trump e venceu as prévias de Iowa na noite de segunda-feira, no primeiro teste da corrida republicana para definir quem representará o partido na eleição presidencial de novembro. Marco Rubio surpreendeu e quase retirou o segundo lugar de Trump, fortalecendo sua posição como potencial opção da ala tradicional da legenda no confronto com os dois insurgentes que lideram a disputa.

As pesquisas indicavam a vitória de Trump, mas o bilionário foi derrotado pela estrutura montada em Iowa pelo adversário, que visitou todos os 99 condados do Estado. Com origem no movimento de extrema direito do Tea Party, Cruz conquistou grande parte dos evangélicos conservadores de Iowa, que representam 60% dos votos republicanos no Estado.

As prévias de Iowa de 2012 e 2008 também foram vencidas por evangélicos superconservadores, que não conquistaram a nomeação do partido: Rick Santorum e Mike Huckabee. Os resultados no Estado não costumam ser uma indicação do vitorioso final da disputa, mas servem para reduzir o número de candidatos e mostrar os que têm chances reais de cruzar a linha de chegada.

Trump congratulou Cruz pela vitória, agradeceu aos eleitores de Iowa, mas colocou sua atenção na próxima etapa da corrida, New Hampshire, que realizará suas primárias no dia 9. O bilionário já terá um evento de campanha no Estado no fim da tarde desta terça-feira. 

Um dos resultados mais importantes na noite de segunda-feira foi obtido por Rubio, o senador da Flórida que tenta ocupar a posição de preferido da liderança tradicional republicana, que apostava no ex-governador Jeb Bush quando as candidaturas foram anunciadas, em meados de 2015.

Filho de imigrantes cubanos e um dos falcões da política externa de seu partido, ele se opõe à reaproximação entre Washington e Havana e ao acordo nuclear que levou à suspensão de parte das sanções internacionais impostas ao Irã. Rubio defende a expansão dos gastos militares e propõe que suspeitos de terrorismo continuem a ser enviados à Base de Guatánamo, em Cuba, que o presidente Barack Obama prometeu fechar quando foi eleito em 2009.

Outro senador em primeiro mandato filho de imigrantes cubanos, Cruz tem como prioridade o fim da reforma do sistema de saúde aprovada por Obama em 2010. “Que a glória seja de Deus”, disse em seu discurso depois da votação, no qual atacou os políticos tradicionais em Washington, de ambos os partidos. “Hoje é uma vitória para os conservadores corajosos de Iowa e de toda essa grande nação.” 

Cruz obteve 28% dos votos, quatro pontos percentuais acima dos 24% de Trump. Rubio obteve 23%, superando com vantagem os índices que registrava nas pesquisas eleitorais. 

A democrata Hillary Clinton teve uma disputa voto a voto com o senador Bernie Sanders e ambos terminaram virtualmente empatados, com uma diferença inferior a um ponto percentual, resultado bastante favorável a seu adversário. A ex-secretária de Estado viu sua pretensão de chegar à Casa Branca naufragar nas prévias de Iowa em 2008, quando terminou em terceiro lugar em uma disputa vencida pelo então desconhecido senador Obama. 

Social-democrata, Sanders é a versão democrata dos insurgentes e é impulsionado por votos de jovens e eleitores insatisfeitos com a política tradicional. Em contraposição ao adversário, Clinton se apresentou como uma reformista que faz as coisas acontecerem. O senador defendeu uma “revolução” e defendeu a universalização da saúde pública e o acesso gratuito a universidades.

Assim que os resultados começaram a ser anunciados, dois pré-candidatos que tiveram votação irrelevante anunciaram sua desistência da disputa: Huckabee, do lado republicano, e o ex-governador democrata de Maryland Martin O’Malley.

A decisão nas prévias de Iowa foi tomada por eleitores dos dois partidos, que se reuniram em escolas e outros locais públicos para definir quem deve representá-los na eleição presidencial. O processo em Iowa é chamado de “caucus” e a decisão é precedida de debates entre os eleitores. 

No Partido Republicano ocorre uma votação, na qual os participantes escrevem os nomes de seus escolhidos em papeis improvisados. Em alguns locais, os votos eram depositados em baldes de pipoca normalmente usados nos cinemas. Os democratas têm um sistema mais complicado, nos quais os eleitores de cada candidato se reúnem em grupos. Os que não obtêm 15% dos presentes têm de se unir aos que congregam mais pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.