1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

10 mil crianças imigrantes desapareceram na Europa em 2 anos

- Atualizado: 31 Janeiro 2016 | 12h 31

Temor de polícias é de que muitos podem estar sendo explorado sexualmente ou recrutado em grupos criminosos

GENEBRA – Mais de 10 mil crianças imigrantes poderiam estar desaparecidas na Europa nos últimos dois anos. O alerta foi lançado neste domingo pela Europol, a polícia da UE e que destaca que uma parte desses menores pode estar sendo explorado. 

Segundo a entidade, “milhares de menores” desapareceram depois de terem sido registrados em diferentes estados da UE. Alguns estariam sendo explorados sexualmente e onde podem ter sido recrutados por gangues criminosas. 

Apenas em 2015, a entidade Save the Children estima que 26 mil migrantes menores de idade entraram na Europa. O Estado visitou dois centros na Alemanha destinado apenas a crianças desacompanhadas e constatou que alguns deles sequer sabiam exatamente como identificar onde estavam em um mapa. Outros foram enviados por seus pais que, por até 5 mil euros, pagaram traficantes para levar os menores para fora da guerra na Síria e tentar garantir que, pelo menos a próxima geração da família pudesse sobreviver.

Para a Europol, de fato muitos desses menores podem ter sido passados para famílias. Mas a realidade é que milhares deles simplesmente desapareceram do controle das autoridades. 

Em maio do ano passado, o governo italiano já havia alertado que 5 mil menores haviam desaparecidos dos centros de asilo destinados a crianças nos doze meses anteriores. O mesmo fenômeno foi registrado na Suécia, com o sumiço de mais de mil menores entre janeiro e outubro do ano passado. 

Mas a parcela maior de desaparecimento é registrado ainda na Grécia, o primeiro local de passagem na Europa para muitos dos imigrantes e refugiados. Só em 2015, mais de 1 milhão de estrangeiros desembarcaram nas ilhas do país, número que pode ser superado em 2016.

Para a Europol, grupos criminosos e traficantes estariam colocando as crianças como alvos de suas operações. “A UE precisa colocar como prioridade encontrar essas crianças, para o bem delas e até para a segurança do continente”, alertou 

Leonard Doyle, porta-voz da Organização Internacional de Migrações. 

Uma vez com os traficantes, as crianças recuperadas contam que são alertadas que precisam seguir as ordens dos criminosos, sob o risco de que suas famílias sejam mortas.  Em outros casos, a incerteza sobre o destino dos refugiados em centros de acolhimento que mais parecem uma prisão faz com que muitos deles escapem. Mas o destino é a rua.  

Segundo a ONU, 224 imigrantes e refugiados morreram tentando chegar até a Europa apenas no mês de janeiro. Em apenas 30 dias, o continente registrou o desembarque de 55 mil pessoas. 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX