Reprodução/Efe
Reprodução/Efe

Berlusconi é eleito 'estrela do rock' do ano pela 'Rolling Stone'

Revista italiana afirma que estilo de vida do primeiro-ministro faz de Rod Stewart e Keith Richards 'novatos'

Efe e Ansa,

23 Novembro 2009 | 10h48

A edição da revista Rolling Stone Itália elegeu como estrela do rock deste ano o primeiro-ministro Silvio Berlusconi. A edição de dezembro da publicação escolhe a personalidade que teve destaque durante o ano por seu caráter e temperamento rock&roll.

 

A Rolling Stone traz na capa um desenho do ilustrador americano Shepard Fairey, que fez o famoso pôster com o rosto do presidente dos EUA, Barack Obama, com a palavra Hope (esperança), símbolo da campanha presidencial democrata no ano passado. A publicação escolheu o premiê como estrela do rock do ano porque "Il Cavaliere" é capaz como ninguém de estar sob os holofotes e seu estilo de vida é digno das maiores estrelas do rock.

 

O diretor da Rolling Stone Italia, Carlo Antonelli, explica no editorial que a vida do premiê supera inclusive a definição do que é o rock&roll. "Rod Stewart, Brian Jones e Keith Richards em seus tempos de ouro eram uns novatos em comparação com Berlusconi", afirma.

 

Para o diretor, a mansão "Neverland", de Michael Jackson, é um sótão se comparada com a Villa Certosa, residência do premiê. "Sua fúria vital, seu estilo de vida inimitável, lhe garantiu, especialmente neste ano, uma incrível popularidade", afirma.

 

O mandatário norte-americano ficou em segundo lugar na lista. Logo depois, aparece o papa Bento XVI por seu CD, que será lançado ainda este ano pela gravadora Geffen Records, que já foi responsável por álbuns do Nirvana, Guns N´Roses e Aerosmith.

 

Berlusconi enfrenta um momento complicado em sua carreira política, no qual dois processos contra ele estão sendo reabertos, e na vida pessoal, com dezenas de escândalos envolvendo seu excêntrico estilo de vida. Magnata da mídia cuja popularidade resistiu a um verão inteiro marcado por escândalos sexuais, Berlusconi prometeu governar até o fim de seu mandato, em 2013, depois de uma vitória confortável nas eleições parlamentares de abril de 2008.

Mais conteúdo sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.