Berlusconi pagou advogado para mentir em corte, diz Justiça

Depoimentos do inglês David Mills inocentaram premiê italiano em dois julgamentos em 1997 e 1998

Efe,

11 Novembro 2009 | 12h39

O advogado inglês David Mills recebeu dinheiro do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, após mentir a favor do líder italiano em dois julgamentos que o inocentaram, diz a sentença que condenou o defensor, publicada nesta quarta-feira, 11.

 

A decisão dos juízes do Tribunal de Apelação de Milão, tomada em 27 de outubro, confirma a condenação de Mills a quatro anos e meio de prisão por perjúrio em dois julgamentos.

 

A única diferença em relação ao veredicto dado em primeira instância, que data de 17 de fevereiro deste ano, é que os juízes da apelação encontraram evidências de que Mills recebeu cerca de US$ 600 mil do grupo empresarial de Berlusconi, a Fininvest, "em 28 de fevereiro de 2000", após seus testemunho em ambos os processos.

 

Mills testemunhou em novembro de 1997, no processo sobre o suposto pagamento de propina a funcionários do Ministério das Finanças em troca de um tratamento fiscal especial para a financeira Fininvest.

 

Também em 1998, no caso All Iberian, nome da sociedade fictícia criada pela Fininvest e que supostamente falsificou seus balanços para financiar ilegalmente vários partidos políticos.

 

A sentença desta quarta também cita como prova contra Mills a carta que escreveu em 2004 ao seu contador, Bob Drennan, na qual lhe contava como tinha conseguido os US$ 600.000. "Todos sabiam que meu testemunho salvou Berlusconni de um montão de problemas que teriam caído em cima dele se tivesse dito o que sabia", diz a carta citada na sentença.

Mais conteúdo sobre:
Itália Berlusconi Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.