Charles Platiau/ Reuters
Charles Platiau/ Reuters

'Charme glamouroso de Paris' pode fazer Trump mudar de ideia sobre acordo climático, diz Macron

Presidente francês afirma que, durante a última semana, pode 'conhecer melhor e de forma íntima' o líder norte-americano'

O Estado de S.Paulo

16 Julho 2017 | 07h52

O presidente Francês, Emmanuel Macron, afirmou sua ofensiva com o charme glamouroso de Paris sobre Donald Trump talvez tenha feito o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mudar de ideia sobre o acordo climático. 

Macron defendeu sua aproximação de Trump, dizendo em uma entrevista publicada neste domingo, 16, no jornal semanal Le Journal du dimanche que "nossos países são amigos e nós também devemos ser".

Após um tenso e frio aperto de mãos no primeiro encontro entre ambos, em maio, Marcon falou que ganharam "melhor e mais íntimo conhecimento um do outro" durante a visita de Trump, na última semana. 

"Com Trump, temos começado a construir uma relação de confiança sobre o conjunto dos temas estratégicos, incluindo nossos desacordos", acrescentou Macron. 

O francês também afirmou que Trump o ouviu sobre o ponto mais importante da reunião, a decisão pela saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris, acrescentando que "ele entendeu o sentido da minha ação, sobre todo o vínculo que existe entre o aquecimento global e o terrorismo". A isso, o republicano respondeu que "irá encontrar uma solução nos próximos meses". 

"Acredito que ele também tem visto a mobilização das cidades, dos Estados em seu próprio país, do mundo dos negócios e de seu próprio entorno para que os Estados Unidos sigam comprometidos na luta contra o aquecimento global", declarou.

O líder reconheceu que a visita de Trump foi cuidadosamente coreografada para passar aos norte-americanos uma "imagem mais forte da França" depois que após ataques de extremistas islâmicos prejudicaram o turismo. "Me parece que Donald Trump se foi com uma visão melhor da França de quando chegou." /COM INFORMAÇÕES DAS AGÊNCIAS EFE E AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.