David Moir/Reuters
David Moir/Reuters

Conservadores dão a Clegg o cargo de vice-premiê do Reino Unido

Mais quatro liberais democratas serão ministros em governo de coalizão com 'tories', segundo a BBC

estadão.com.br,

11 Maio 2010 | 19h11

LONDRES- O líder do Partido Liberal Democrata, Nick Clegg, é o novo vice-primeiro-ministro do Reino Unido, segundo a rede BBC, que citou  fontes do 10 da Downing Street.  

 

Veja também:

linkDavid Cameron é o novo primeiro-ministro no Reino Unido

linkObama parabeniza novo premiê

linkHarriet Harman assume Partido Trabalhista

especialEntenda as eleições no Reino Unido

 

"A Rainha ficou lisonjeada em aprovar a nomeação de Nick Clegg como vice-primeiro-ministro. Foi acordado que cinco postos do gabinete serão preenchidos por liberais democratas, incluindo o cargo de Clegg", disse um porta-voz de Downing Street, segundo a BBC.

 

O canal também afirmou que mais quatro "lib-dems" terão cargos no novo governo formado em coalizão com o primeiro-ministro conservador, David Cameron.

 

Ainda de acordo com a BBC, o conservador Liam Fox foi confirmado como novo secretário de Defesa, e o também "torie" Andrew Lansley  será o novo secretário de Saúde.

 

A primeira reunião formal do gabinete do governo de coalizão é esperada para esta quarta-feira.

 

Disputa

O apoio dos liberais-democratas vinha sendo disputado tanto por membros do Partido Trabalhista como por conservadores desde as eleições do último dia 6 de maio.

 

Como nenhum dos partidos obteve votos para assegurar a maioria absoluta das cadeiras do Parlamento, o apoio dos liberais-democratas era fundamental para a formação do novo governo.

 

As tentativas trabalhistas de atrair o apoio do partido de Clegg, no entanto, acabaram fracassando e, nesta terça-feira, o trabalhista Gordon Brown apresentou sua renúncia do posto de primeiro-ministro do Reino Unido, abrindo caminho para que Cameron assumisse o cargo.

 

Logo após assumir, Cameron também apontou nomes de seu partido que formarão o novo governo britânico, entre eles, George Osborne, no Ministério das Finanças, William Hague, no Ministério das Relações Exteriores, e Liam Fox, como secretário de Defesa.

 

O acordo da coalizão - que foi aprovado por membros do Partido Liberal Democrata horas após a posse de Cameron - ainda tem outros pontos, como a realização de um referenpo para a aprovação de uma reforma eleitoral, não aderência ao euro e medidas para a redução do déficit público. 

 

Jovem

 

Aos 43 anos de idade, Cameron é primeiro-ministro britânico mais jovem a assumir o cargo em quase 200 anos.

 

Em seu discurso após ser confirmado no cargo, ele prometeu colocar de lado as diferenças partidárias e priorizar "o interesse nacional" no governo que marca o fim de 13 anos de domínio dos trabalhistas na política britânica.

 

Cameron também disse que há "decisões difíceis" pela frente e destacou que uma de suas tarefas será reconstruir "a confiança no sistema político" britânico.

 

"Acredito que o que nosso país precisa agora é enfrentar nossos grandes desafios, enfrentar nossos problemas, tomar decisões difíceis, conduzir as pessoas nessas decisões, para que, juntos, possamos chegar a tempos melhores no futuro", afirmou.

 

Repercussão

 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi o primeiro líder mundial a ligar para Cameron para parabenizá-lo, de acordo com o gabinete do premiê.

 

Durante a ligação, o presidente americano também teria convidado o novo premiê para visitar Washington.

 

Cameron também foi parabenizado pela chanceler alemã, Angela Merkel, e pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy.

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.