Em meio à crise,Grécia promete limpeza na corrupção de políticos

O governo grego prometeu acabar com a corrupção entre os políticos para restaurar a confiança pública, mas não quer causar instabilidade em um momento no qual o país luta contra uma crise deficitária que enfraqueceu o euro.

REUTERS

15 Maio 2010 | 11h34

A Grécia foi abalada por uma série de imensos protestos contra as medidas do governo para cortar o grande déficit do país. Uma grande exigência dos manifestantes foi uma caçada aos políticos corruptos, que eles culpam por terem gerido mal a economia da nação.

"O que o povo quer, e o governo certamente compartilha desse desejo, é que haja uma limpeza nos níveis político e social, para que as relações entre um e outro fiquem boas e a confiança seja restaurada", afirmou o porta-voz do governo, George Petalotis, a um jornal semanal publicado neste sábado.

Por décadas, os gregos toleraram uma corrupção endêmica na sociedade e na política. Mas a atual crise do déficit forçou o governo a introduzir um pacote de austeridade em resposta a uma ajuda de 110 bilhões de euros da UE e do FMI.

Investidores estão observando a reação pública aos cortes salariais e aumento de impostos, e se o governo socialista irá se comover com a pressão pública ou ser ameno nas profundas reformas.

Cerca de 12.000 apoiadores do Partido Comunista fizeram uma passeata no centro de Atenas neste sábado, balançando bandeiras vermelhas e gritando cânticos contra o governo. Mesmo muito menor que a manifestação que reuniu 50.000 pessoas e na qual três delas morreram há uma semana, a marcha ilustrou a força do sentimento em apenas uma das facções contrárias às reformas governamentais.

Por enquanto, comitês investigativos parlamentares estão averiguando dois escândalos de corrupção do governo anterior, que era conservador: um acordo de troca de propriedades que custou milhões de euros ao Estado, conhecido como Vatopedi, e propinas envolvendo a empresa alemã Siemens. O Ministério da Justiça também prometeu investigar a renda das autoridades.

Mais conteúdo sobre:
GRECIA CRISE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.