Espanha deve aumentar preço de energia, cortar subsídios-jornais

O governo espanhol de centro-direita pode decretar na próxima sexta-feira um aumento das taxas de energia elétrica de até 7 por cento para os consumidores e reduzir os subsídios aos distribuidores de energia em 10 por cento, afirmaram vários jornais neste sábado.

REUTERS

24 Março 2012 | 16h34

No entanto, fontes do governo disseram à Reuters que não houve decisão ainda sobre o conteúdo exato ou o momento das reformas do setor de energia pendentes. O corte nos subsídios aos distribuidores poderia reduzir o crescente déficit da Espanha em cerca de 500 milhões de euros por ano, segundo relatos da mídia local.

O governo tenta levar adiante um plano de austeridade para se afastar da crise de dívida da zona do euro. Os subsídios mais baixos afetariam Iberdrola, Gás Natural Fenosa e Endesa e outras empresas menores, segundo as reportagens.

Os jornais financeiros Expansion e El Economista informaram que os distribuidores de energia consideravam uma ação legal contra o governo se os subsídios foram cortados, com exceção da REE, que tem 20 por cento de propriedade estatal, e a Enagas, na qual o governo tem 5 por cento.

O ministro da Indústria, Jose Manuel Soria deve levar o decreto proposto para a reunião de gabinete na sexta-feira. No mesmo dia, o gabinete deve aprovar o orçamento austero 2012, os jornais noticiaram.

Uma segunda fase da reforma energética poderia vir em abril ou maio. Uma possibilidade que o governo está considerando é um imposto sobre os lucros extraordinários de energia hidráulica e geração nuclear.

O regulador do setor de energia da Espanha recomendou este mês que as taxas sobre consumo devem subir para fixar uma estrutura de mercado de energia que acumula uma dívida, com suporte do governo de 24 bilhões de euros.

O chamado "déficit tarifário" tem crescido por mais de 10 anos, devido aos serviços públicos sendo forçados a vender energia a preços regulamentados de geração nominal abaixo dos custos de distribuição.

Mas o ministério da indústria criticou o relatório e o Partido do Povo, recém-eleito, tem dito repetidamente que os consumidores não devem pagar todo o peso do déficit do setor da energia. Tarifas de energia dos consumidores foram subiram 8,1 por cento no primeiro trimestre do ano passado e 9,8 por cento no terceiro trimestre.

Mais conteúdo sobre:
ESPANHA IMPOSTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.