Funeral de mentira faz luto pela redução da população de Veneza

Uma procissão de gôndolas acompanhou um caixão rosa pelo Grande Canal de Veneza no sábado numa representação de um funeral para fazer um protesto contra a forte queda na população da cidade.

REUTERS

14 Novembro 2009 | 18h04

Porta-estandartes com capas negras acompanharam o caixão todo enfeitado de flores que simboliza a morte da "Rainha do Adriático" por causa do aumento do turismo, das águas e dos custos de moradia e de um decréscimo no índice de natalidade e na qualidade dos serviços públicos.

O caixão foi levado à prefeitura da cidade, onde foram lidos uma mensagem de pêsames e um poema no dialeto veneto.

Enquanto turistas e pedestres sacavam fotos e abriam garrafas de vinho, uma bandeira com a imagem da fênix saiu do caixão para simbolizar o renascimento da cidade ameaçada.

O protesto, organizado pelo site local Venessia.com, foi inspirado por um relatório no mês passado que indicava uma queda na população da cidade para menos de 60.000, o mínimo para que uma cidade seja independente na Itália.

A população de Veneza caiu pela metade desde 1966 à medida que residentes saíam para buscar trabalho em outros lugares e os custos de moradia disparavam, já que as casas tornaram-se pousadas ou hoteis.

Aproveitando-se da aglomeração de pessoas reunidas para o protesto, pesquisadores do instituto politécnico de Worcester, dos Estados Unidos, retiraram amostras de saliva para identificar venezianos autênticos geneticamente, disse a agência de notícias Ansa.

(Reportagem por Manuel Silvestri)

Mais conteúdo sobre:
ITALIA VENEZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.