Karadzic será representado por advogado se não for ao Tribunal

Ex-líder não compareceu às duas primeiras audiências e é acusado de crimes de guerra na antiga Iugoslávia

Efe,

02 Novembro 2009 | 16h10

O Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII) advertiu nesta segunda-feira, 2, o ex-líder servo-bósnio Radovan Karadzic que, se não mudar sua postura e seguir impedindo o processo, um advogado será nomeado para representá-lo e fazer sua defesa.

 

Antes de finalizar a audiência, o juiz O-Gon Kwon pediu a Karadzic que reflita antes de comparecer amanhã ao tribunal, durante a audiência extraordinária que o TPII realizará para determinar os próximos passos que tomará se o acusado mantém sua intenção de não apresentar-se no julgamento.

 

"O boicote ao julgamento não será tolerado e, se Karadzic mantiver a postura de não apresentar-se, continuaremos em sua presença e nomearemos um advogado", assegurou o sul-coreano O-Gon.

 

Karadzic anunciou por escrito aos magistrados que amanhã estará na audiência extraordinária que será realizada para definir o andamento do processo, após anúncio do acusado de que precisa de dez meses adicionais para preparar a própria defesa. A audiência de amanhã tem caráter preparatório e não de julgamento em si, por isso que Karadzic decidiu comparecer.

 

Por sua vez, a Promotoria manteve o argumento de que Karadzic foi o principal responsável pelo massacre de Srebrenica, na qual morreram 8 mil homens muçulmanos na guerra da Bósnia (1992-1995) e mais 12 mil vítimas civis do ataque a Sarajevo.

 

A Promotoria, que encerrou as alegações iniciais, afirmou que Karadzic sabia das vítimas civis durante o conflito armado na Bósnia. Segundo os promotores o último alvo das tropas ao comando de Karadzic era "expulsar os muçulmanos dos territórios para fazer da república servo-bósnia uma zona sérvia".

 

Um dos desafios mais difíceis da Promotoria durante o julgamento de Karadzic será demonstrar a acusação de genocídio, para o qual se deve provar a intenção das tropas servo-bósnias e seus dirigentes de exterminar os muçulmanos.

 

O processo do ex-líder servo-bósnio começou em 26 de outubro e, até agora, somente foram realizadas três audiências. Durante a primeira, os juízes adiaram para a segundo dia o discurso dos promotores, que contaram com dois dias (na terça-feira passada e esta segunda) para expor as alegações de abertura do caso.

 

Por enquanto estão previstas duas sessões por semana no julgamento a Karadzic, para que, entre outras coisas, os outros processos em andamento possam seguir seu curso. Karadzic é acusado de 11 acusações de crimes de guerra e contra a humanidade supostamente ocorridos durante a guerra da Bósnia.

Mais conteúdo sobre:
Karadzic Haia Iugoslávia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.