Nas urnas, suíços rejeitam sediar Olimpíada  

Os resultados iniciais das urnas apontam que 60,09% dos eleitores foram contrários à proposta

Jamil Chade, em Genebra, O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2017 | 11h32

 Nas urnas, a população de uma das regiões mais tradicionais e ricas da Suíça rejeita se candidatar para sediar os Jogos Olímpicos de 2026. O cantão de Grisons se recusou a pagar US$ 25 milhões para financiar a campanha para concorrer ao direito de receber os Jogos de Inverno. Em 2013, a mesma população já havia dito “não” a uma proposta similar para 2022. 

Os resultados iniciais das urnas apontam que 60,09% dos eleitores foram contrários à proposta. Mesmo nas estações de St-Moritz e Davos, duas das mais ricas do mundo, a população disse “não”. 

Os US$ 25 milhões para promover a campanha seriam divididos em três partes. Apenas US$ 8 milhões recairiam sob as finanças do cantão. Mas nem assim a população local aceitou. 

Se confirmado, o resultado é ainda mais contundente que a votação de 2013, quando 53% dos eleitores disseram não aos Jogos de 2022. 

Para tentar reduzir os custos para 2026, os organizadores campanha optaram por espalhar os eventos por diversas cidades e ter eventos em Zurique, Kloten, Einsiedeln e Engelberg. A cidade de Zurique teria ainda um papel importante no que se refere à hospedagem e centro de imprensa. 

Promovido por um grupo de empresários e políticos, o projeto não convenceu a população. A própria cidade de Zurique disse que se recusaria a bancar qualquer tipo de atividade em suas instalações. 

Para o setor privado, o evento ajudaria a impulsionar essa parte dos Alpes, afetada pelo franco valorizado. 

Mas os partidos ambientalistas e socialistas acusaram o setor privado de não participarem do financiamento dos US$ 25 milhões exigidos. 

St. Moritz já realizou dois Jogos Olímpicos, em 1928 e 1948. Mas a rejeição da população é mais um golpe contra o COI, cuja base é na Suíça, e tenta convencer democracias pelo mundo a apresentar suas candidaturas para receber futuros eventos. 

Diante do colapso do projeto de legado da Rio 2016, de Sochi 2014 e de Atenas 2004, diversos governos e populações tem hesitado em participar dos projetos olímpicos. 

Os suíços ainda esperam que o país tenha uma candidatura para 2026, com a cidade de Sion. 

Mais conteúdo sobre:
Suíça Plebiscito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.