Presidente da França pede união nacional após mortes

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse nesta quarta-feira que a França não deve ceder ao desejo de vingança ou à discriminação por causa das mortes de um rabino e de três crianças em uma escola judaica em Toulouse.

REUTERS

21 Março 2012 | 08h20

"Devemos estar unidos. Não devemos ceder nem para a discriminação nem para a vingança", Sarkozy disse a repórteres em uma breve declaração no palácio presidencial do Eliseu.

"Eu juntei as comunidades judaica e muçulmana para mostrar que o terrorismo não conseguirá quebrar o sentimento de comunidade de nossa nação", completou.

(Reportagem de Nicholas Vinocur)

Mais conteúdo sobre:
FRANCA PRESIDENTE UNIAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.