Arquivo/Reuters
Arquivo/Reuters

Prostituta de luxo lança livro sobre noites com Berlusconi

Patrizia afirma que premiê não cumpriu a promessa de lhe presentear com uma casa em Bari, no sul da Itália

Efe,

24 Novembro 2009 | 13h33

A prostituta italiana Patrizia D'Addario revela que entregou seu corpo ao primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, mas que ele faltou com sua promessa de ajuda, segundo seu livro de memórias "Gradisca Presidente" ("Desfrute, Presidente"), publicado nesta terça-feira, 24.

 

Veja também:

Berlusconi é eleito 'estrela do rock' do ano pela 'Rolling Stone'

 

O livro revela a obsessão de Patrizia por ter um terreno para construir uma casa em Bari, no sul da Itália, cidade onde nasceu. Patrizia, de 42 anos, entrou no dia 16 de outubro de 2008 no Palácio Grazioli, residência de Berlusconi em Roma, após as instruções dadas a ela por Gianpaolo Tarantini, o responsável por contratar de meninas para o primeiro-ministro, para que se apresentasse "como uma amiga" e não como prostituta.

 

Vestida de preto, com pouca maquiagem, Patrizia jantou com outras 20 meninas e o "sultão", como se refere ao primeiro-ministro. "As mulheres estavam à sua disposição", afirma. Da sala de jantar passaram para o quarto, e contaram com a companhia de duas lésbicas. Segundo Patrizia, elas diziam "Silvio, esta semana vamos ao salão de beleza? Você tinha prometido". "Ele se dirigiu a mim e a outra menina: Vocês vieram também? Fizemos massagens, nos divertiremos muito", conta.

 

Na noite de 4 de novembro, Patrizia retornou ao Palácio Grazioli com Tarantini e outras duas meninas. Na ocasião, ficou na casa de Berlusconi até o café da manhã no dia seguinte, porque o próprio premiê, segundo ela, disse: "Basta. Agora peço que todos saiam porque quero ficar só contigo". Patrizia também assegurou que o primeiro-ministro comentou a Tarantini que se encarregaria "de seu projeto (o de comprar uma casa em Bari). Sua vida mudará (em referência à de Patrizia), já sofreu demais". A prostituta assegura ter todas as conversas dessas duas noites gravadas.

 

Em seu livro, Patrizia diz ter sido enganada. "O primeiro-ministro mentiu, não me pagou, não era dinheiro que devia me dar, tinha me prometido outra coisa, eu dei meu corpo e ele não deu nada em troca". O livro "Gradisca Presidente" foi escrito por Patrizia em colaboração com Maddalena Tulanti e publiado pela editora Aliberti.

Mais conteúdo sobre:
Itália Silvio Berlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.