Sarkozy ameaça Irã com sanções mais pesadas

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, ameaçou nesta quarta-feira pressionar por sanções mais pesadas contra o Irã, e repetiu o pedido por uma ação internacional ampla para impedir abusos no mercado financeiro.

REUTERS

26 Agosto 2009 | 15h28

Em seu discurso anual aos embaixadores franceses, Sarkozy mais uma vez saiu em defesa de uma maior governança mais forte sobre a economia global. No mês que vem, o G20 se reúne na cidade norte-americana de Pittsburgh para discutir o tema.

"O Estado encontrou seu lugar de novo, e precisa mantê-lo com a definição de um caminho rumo a uma nova regulação global", disse Sarkozy.

Ele também criticou os líderes do Irã e afirmou que sanções mais duras podem ser discutidas se Teerã não mudar a postura com relação ao programa nuclear do país, que para o Ocidente tem o objetivo de produzir uma bomba nuclear.

O Irã reitera que o programa visa à produção de energia com fins civis. A polêmica foi alimentada após as eleições presidenciais de junho, cujos resultados foram contestados e provocaram os maiores protestos no país desde a Revolução Islâmica, em 1979.

"São os mesmo líderes no Irã que dizem que o programa nuclear é pacífico e que as eleições foram honestas. Quem pode acreditar neles?", perguntou Sarkozy.

Ele afirmou que a questão será discutida em um encontro entre líderes mundiais no fim de setembro, em Nova York.

(Reportagem adicional de Sophie Hardach e Tamora Vidaillet)

Mais conteúdo sobre:
FRANCA SARKOZY DISCURSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.