Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional » A era da mentira

Internacional

A era da mentira

É difícil olhar para fora num momento como este. O mundo não parou, embora seja essa a sensação. Haverá eleições americanas, negociações por uma saída para a guerra na Síria ocorreram em Genebra esta semana, a crise dos refugiados continua aguda. É natural que em tempos de turbulência doméstica tudo isso tenha dimensão menor para os brasileiros. 

0

Adriana Carranca

19 Março 2016 | 07h13

Há um elemento – e um risco – novo nessa tentativa de autoconhecimento: ela se dá no ambiente das redes sociais. É ali que tem se formado nossa consciência coletiva e nesse espaço há muitos demônios. Em vez de enxergarmos o mundo que a internet nos abre, parecemos afundar cada vez mais num calabouço escuro de mentiras e difamação.

Olhar fora pode nos ensinar alguma coisa. Conhecer histórias do mundo alarga nossos horizontes e nos ajuda a refletir sobre os próprios valores, ouvi certa vez de um editor. As eleições americanas são exemplo disso neste momento que vive o Brasil.

Analistas têm tentado entender a rápida ascensão de Donald Trump nas primárias do Partido Republicano para decidir o candidato à Casa Branca. Nesta semana, uma nova hipótese surgiu: Trump avança porque ele mente. 

Em pouco mais de quatro horas e meia de áudio com entrevistas e discursos, entre os dias 7 e 11, o site de notícias Politico.com encontrou uma afirmação falsa a cada cinco minutos. “Suas observações representam uma mistura extraordinária de declarações imprecisas sobre política interna e externa e autoelogios que raramente correspondem à verdade quando confrontados com fontes primárias”, diz o site. Em 2015, Trump liderou o ranking de mentiras do FactCheck e PolitiFact que monitoram e checam o que dizem os políticos. O último identificou 76% das declarações do magnata como parcial ou totalmente falsas. Trump não é o único. O republicano Ted Cruz mente tanto quanto ele. Pelo menos 49% do que diz a democrata Hillary Clinton são meias-verdades e falsidades, segundo o site, que flagrou também outros pré-candidatos.

Políticos mentem. Mas há outro fato que os analistas observaram na campanha de Trump: “Essas inverdades – como encadeadas em todos os seus discursos – ajudaram a impulsionar uma das mais rápidas ascensões na história da campanha presidencial moderna”, conclui o Politico.com, citando a definição de “truthness” (aquilo que tem verdade), expressão criada pelo comediante Stephen Colbert: a verdade é o que alguém sente no coração ou acredita intuitivamente, sem relação com evidência, lógica ou fato. 

Em outras palavras, os eleitores não estão preocupados com a veracidade do que dizem os candidatos. Eles querem ouvir a “sua verdade”. E Trump é especialista em dizer o que os eleitores republicanos querem ouvir – seja fato ou não. “Quem se importa?”, debocha quando questionado, segundo o New York Times em perfil publicado esta semana. “Em 12 anos de existência, nunca vimos isso. Ele (Trump) se destaca não só pelo grande número de alegações falsas, mas por sua recusa descarada em admitir os erros”, diz o FactCheck.org.

Políticos não apenas mentem como mentir tornou-se uma estratégia de campanha, catalisada pela internet. No espaço virtual, as mentiras misturam-se ao bolo de informação com o mesmo peso da verdade. A polarização do eleitorado, que também se aprofunda no Brasil, exacerba esse fenômeno. Radicais de direita e esquerda vivem em suas próprias bolhas nas redes sociais. Eles não vão à internet buscar ou compartilhar qualquer informação, mas apenas aquelas que confirmam suas convicções. 

“A internet democratizou ao mesmo tempo o acesso à informação e a fonte de informação, criando um ambiente em que a verdade é facilmente descoberta, mas a desinformação, e aqueles que a espalham, também podem prosperar”, escreveu Issie Lapowsky na The Wire.

Em seu novo livro – The Internet of Us (A internet de nós) – o filósofo Michael P. Lynch argumenta que as inovações tecnológicas produziram um paradoxo: mesmo sabendo mais, nós parecemos compreender menos. Ao confiar nos sites de busca, estamos deixando de aprender pela observação, o questionamento e a razão. Na resenha sobre o livro para a New Yorker, Jill Lepore proclamou o fim da era dos fatos: “Na história da verdade, um novo capítulo começa.”

publicidade

Comentários