Abbas reitera expectativas com o Brasil

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, reiterou neste sábado, em Porto Alegre, que as relações que o Brasil tem tanto com o mundo árabe quanto com Israel podem levar o País a contribuir com a pacificação do Oriente Médio.

ELDER OGLIARI, Agencia Estado

21 Novembro 2009 | 19h54

Em breve entrevista coletiva, o dirigente palestino mostrou-se agradecido por ter ouvido o presidente Luiz Inácio Lula da Silva dizer, em Salvador, na sexta-feira, que o Brasil entende que a suspensão da expansão das colônias de Israel na Cisjordânia é condição para a retomada dos diálogos pela paz na região.

"As palavras do presidente Lula são corretas e sensatas, ele está falando de paz e justiça", afirmou Abbas. "Sem a paralisação completa da colonização nunca haverá negociação e nunca haverá paz". Nem mesmo a condição de o Brasil ser um País distante dos conflitos do Oriente Médio foi vista como obstáculo pelo dirigente palestino. "A distância não tem mais importância hoje, quando devemos construir pontes, e não muralhas", ressaltou.

Apesar da expectativa em relação ao Brasil, Abbas mostrou-se decidido a não atender à sugestão que recebeu de Lula para disputar a próxima eleição palestina. "A continuidade da colonização nos territórios palestinos ocupados (por israelenses) nos deixa frustrados e decepcionados e por isso eu não gostaria de buscar a reeleição", explicou. "É uma decisão definitiva".

Abbas não acredita que sua desistência pode levar a ANP a uma crise. "A Autoridade Nacional Palestina nunca pode acabar", proclamou. "A continuidade da colonização é que nunca vai ajudar a dar uma solução ao problema".

Em seu terceiro dia no Brasil, Abbas visitou o Rio Grande do Sul, Estado que tem a maior comunidade palestina no Brasil, com cerca de 20 mil pessoas. No aeroporto, o presidente da ANP foi recepcionado por cerca de cem pessoas. Depois foi recebido pelo prefeito José Fogaça (PMDB), pelo presidente da Assembleia Legislativa, Ivar Pavan (PT), e pela governadora Yeda Crusius (PSDB), em três encontros diferentes. Nos discursos, Abbas destacou a convivência pacífica entre etnias e crenças diferentes do Brasil como objetivo a ser alcançado também na Terra Santa, berço das três grandes religiões monoteístas do mundo.

A agenda de Abbas também previa um jantar reservado com representantes da comunidade palestina à noite. A viagem não se resume ao Brasil. Neste domingo, o dirigente palestino segue para a Argentina e depois ainda visita o Chile, a Venezuela e o Paraguai.

Mais conteúdo sobre:
Mahmoud Abbas ANP Israel Oriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.