REUTERS
REUTERS

Acidente de trem mata 34 e deixa mais de 100 feridos na Índia

Ministro de transportes ferroviários ordenou investigação para determinar causas do acidente; freios de emergência falharam

O Estado de S. Paulo

20 Março 2015 | 10h23

NOVA DELI - Pelo menos 34 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas, das quais 39 foram hospitalizadas,  após um descarrilamento de um trem de passageiros no Estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, segundo informações da polícia.

O acidente ocorreu por volta das 9h30 (horário local) depois que dois vagões saíram dos trilhos "por uma falha nos freios" da composição, disse o inspetor da polícia de Banchrawa, Chand Banu Verma. Ainda de acordo com Verma, entre as vítimas estão pelo menos duas crianças e quatro mulheres.

O trem, da empresa Janata Express, fazia a linha entre Dehradun, capital do Estado vizinho de Uttarakhand e Varanasi, em Uttar Pradesh, quando os dois vagões descarrilaram perto da estação de Banchrawa.

A empresa estatal Northern Railway ordenou que uma seja feita uma investigação para determinar as causas do acidente e o motivo de os freios de emergência não terem evitado que o trem saísse dos trilhos. 

O ministro indiano de Ferrovias, Suresh Prabhu, escreveu em sua cota no Twitter que é necessário "modernizar as estruturas envelhecidas" para melhorar a segurança dos trens no país. Em fevereiro, Prabhu afirmou ao Parlamento que o país investiria US$ 137 milhões no setor ferroviário nos próximos cinco anos.

Com 65 mil quilômetros de trilhos, a Índia tem a 4ª mais malha ferroviária do mundo, atrás de Estados Unidos, Rússia e China, e emprega 1,3 milhão de trabalhadores. O sistema indiano transporta 23 milhões de passageiros por dia.

Segundo um estudo divulgado ano passado pelo Ministério de Ferrovias, o investimento em segurança é fundamental no sistema ferroviário indiano, que na última década sofreu 1.522 acidentes que deixaram 2.331 mortos  / EFE

Mais conteúdo sobre:
Índia descarrilamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.