Acusadas de fraude financeira dizem ter "ordem de Deus"

Duas mulheres foram condenadas por administrar um esquema que fraudou mais de 1.000 pessoas em US$ 2 milhões, prometendo às vítimas acesso à fortuna do ex-presidente das Filipinas, Ferdinand Marcos. O júri considerou Roberta Dupré e Beverly Stambaugh culpadas de fraude e rejeitou a alegação de Dupré, de que Deus a levou a atrair investidores com a promessa de que US$ 1.000 poderiam se tornar US$ 1 milhão se uma conta bancária secreta de Marcos fosse reativada. As duas diziam que precisavam de dinheiro para cobrir despesas com documentos, viagens e o suborno de autoridades nas Filipinas, disseram os promotores. As mulheres citavam a Bíblia para as vítimas e pediam, por e-mail, que os investidores rezassem pela liberação do dinheiro. Quando um investidor manifestava dúvida, recebia os versículos de Provérbios 3:5-6 - "Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento". Enquanto isso, Dupré vivia num quarto de hotel de luxo de US$ 5.000 ao mês desde 1999, usando as vítimas "como se fossem um caixa eletrônico", disse o promotor Bret Williams.

Agencia Estado,

22 Outubro 2004 | 17h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.