1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Advogados de Assange pedem à Justiça fim da ordem de captura contra ele

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 15h 59

Pedido é feito com base em decisão de grupo de trabalho da ONU, que considerou a detenção do fundador do WikiLeaks 'arbitrária'

ESTOCOLMO - Os advogados de Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, afirmaram nesta segunda-feira, 22, terem pedido ao Tribunal de Estocolmo que retire a ordem de captura contra seu cliente.

Os advogados suecos se baseiam na decisão de 5 de fevereiro de um grupo de trabalho da ONU, que considera que Assange - refugiado na embaixada equatoriana em Londres - é vítima de uma ordem de detenção arbitrária. Eles disseram ter pedido, com base neste novo elemento, o reinício do procedimento para questionar a ordem de captura europeia.

Assange concede entrevista na embaixada do Equador em Londres em agosto de 2014

Assange concede entrevista na embaixada do Equador em Londres em agosto de 2014

O pedido já foi feito a um tribunal de primeira instância, uma corte de apelações de Estocolmo e à Suprema Corte sueca, mas foi derrotado em todos. "Queremos que reexaminem a decisão e a anulem", declarou à AFP Tomas Olsson. "Penso que (a decisão do grupo de trabalho da ONU) é um fato importante e deve ser levado em conta", acrescentou.

A ordem de captura europeia foi emitida em novembro de 2010 para interrogar o australiano pelas acusações de estupro apresentadas três meses antes por uma sueca. Depois de ter negado as acusações ante a justiça britânica, Assange se refugiou na embaixada do Equador em Londres em junho de 2012.

Em março de 2015, os magistrados suecos aceitaram a ideia de um interrogatório em Londres, que ainda não ocorreu por complicações de procedimento.

Assange considera que a opinião do grupo de trabalho da ONU é uma "vitória de importância histórica" e pede o retorno de sua liberdade de movimento. /AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX