1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Afeganistão expulsa jornalista do 'The New York Times'

Estadão Conteúdo

20 Agosto 2014 | 17h 57

O governo do Afeganistão deu um prazo de 24 horas para que o jornalista Matthew Rosenberg, do "The New York Times", deixe o país. Conforme informou em comunicado o gabinete da Procuradoria-Geral, nesta quarta-feira, os afegãos ficaram insatisfeitos com uma reportagem que ele produziu sobre um grupo de autoridades locais que estariam dispostos a tomar o poder, em meio a uma polêmica sobre quem venceu as eleições presidenciais deste ano.

A Procuradoria-Geral chegou a pedir a Rosenberg que revelasse suas fontes, o que foi recusado. No comunicado, o órgão diz que a matéria ameaça a estabilidade e a segurança do Afeganistão, sugerindo em seguida que, como a reportagem foi desenvolvida com base em fontes não identificadas, ela pode ter sido fabricada. O documento informa ainda que o ministério de Relações Exteriores do país e agências de segurança foram notificadas da expulsão.

Matéria publicada nesta quarta-feira no site do "The New York Times" afirma que o jornal ficou "chocado" com a decisão afegã e que Rosenberg é um "jornalista fantástico, que escreveu uma reportagem muito precisa". O texto, assinado pelo editor-executivo Dean Baquet, dizia também que "ele estava disposto a conversar com o governo afegão, mas, obviamente, não iria revelar suas fontes". A missão da Organização das Nações Unidas (ONU) no Afeganistão também mostrou desapontamento com os atos de intimidação contra Rosenberg, disse o porta-voz da ONU Stephane Dujarric, em Nova York.

Por sua vez, o porta-voz da presidência do Afeganistão, Aimal Faizi, afirmou que a saída de Rosenberg é resultado de uma "clara fabricação" em sua reportagem, "com o objetivo de minar a estabilidade e a segurança do país", lembrando que o governo já havia contestado trabalhos anteriores do jornalista.

O Afeganistão realizou eleições presidenciais no último dia 6 de abril, para eleger o sucessor de Hamid Karzai. Os dois principais candidatos foram o ex-ministro das Relações Exteriores

Abdullah Abdullah e o ex-ministro das Finanças Ashraf Ghani Ahmadzai. Abdullah recebeu a maioria dos votos no primeiro turno, mas não conseguiu o mesmo sucesso no segundo turno. Os resultados preliminares indicaram que Ahmadzai estava à frente no segundo turno, mas os dois alegaram fraude, com investigações que seguem até o momento.

A reportagem de Rosenberg diz que algumas autoridades ligadas às forças de segurança estavam considerando a possibilidade de tomar o poder. O jornal veiculou que figuras poderosas do governo estavam discutindo a formação de um governo interino, como uma forma de solucionar o impasse das eleições. Fonte: Associated Press.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo