Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Internacional

Internacional » Afegãos comparecem em peso às urnas

Internacional

Afegãos comparecem em peso às urnas

Eleitores afegãos tiveram comparecimento inesperadamente alto às urnas durante as eleições presidenciais deste sábado apesar da violência do Taleban e de tentativas de fraude. O comparecimento foi tão alto que em Cabul e outras grandes cidades como Candaar, muitos centros de votação ficaram sem cédulas na hora do almoço.

0

Agência Estado

05 Abril 2014 | 13h21

"Esse é um sinal de maturidade política do povo", disse Yusuf Nuristani, chefe da Comissão Eleitoral Independente. A falta de urnas de votação, porém, também ameaçou a legitimidade da eleição, uma vez que vários eleitores se sentiram desprivilegiados. Em uma escola na região leste de Cabul, centenas de homens que não conseguiram votar dispararam sua raiva contra o fechamento das urnas. "Isso é fraude", disse Matiullah, de 27 anos. "Chegamos aqui para escolher nosso líder e não conseguimos, nunca aceitaremos isso", completou.

Se bem sucedida, a eleição marcará a primeira transição democrática de poder na história sangrenta do Afeganistão. Muito depende do desenrolar das eleições: uma votação vista como legítima é necessária para a

continuidade da ajuda internacional uma vez que o mandato da coalizão liderada pelos Estados Unidos acaba em dezembro.

A eleição anterior, em 2009, foi marcada por fraudes. Com a meta de prevenir uma repetição destes problemas, a comissão eleitoral limitou o número de cédulas a 600 por ponto de votação. Embora a comissão tenha acumulado cédulas reservas, elas se provaram insuficientes. A falta cédulas deste sábado "ofusca a eleição", na avaliação de Jonas Westerlund, que lidera o time de transição do governo sueco estabelecido no norte do Afeganistão.

Nenhum dos três candidatos à presidência - o ex-executivo do Banco Mundial Ashraf Ghani e dois ex-ministros de Relações Exteriores, Zalmai Rassoul and Abdullah Abdullah - devem conquistar a maioria dos votos deste sábado. A eleição deve ser levada a um segundo turno, o qual deve ocorrer no final de maio ou início de junho.

A divulgação de resultados oficiais ainda deve demorar semanas, mas a contagem de votos começou logo após o fechamento das urnas. Em cinco postos de contagem visitados pelo The Wall Street Journal, Abdullah and Ghani estavam na liderança, mas o dado ainda é inicial e pode não refletir a preferência de outras regiões.

Antes da votação, a comissão eleitoral fechou mais de 10% dos pontos de contagem pelo país alegando que os locais não eram seguros o suficiente. No sábado, outros 221 centros, representantes de 3% do total não puderam abrir. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre: