AFP PHOTO / ROBERT MICHAEL
AFP PHOTO / ROBERT MICHAEL

Agências de inteligência alemãs monitoram movimentos extremistas

O Pegida (Europeus Patriotas Contra a Islamização do Ocidente, em tradução livre) celebrarão hoje o aniversário do primeiro ano do grupo

O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2015 | 08h43

BERLIM - A agência de inteligência doméstica da Alemanha está monitorando de perto movimentos anti-islamistas, como o Pegida, após um protesto na semana passada. O grupo extremista tem atraído milhares de pessoas para seus protestos contra o Islã e os imigrantes.

Autoridades alemãs intensificaram as medidas de segurança para as celebrações desta segunda-feira, 19, do primeiro aniversário do Pegida, que em tradução livre significa Europeus Patriotas Contra a Islamização do Ocidente. O grupo tem um ato marcado para esta noite em Dresden.

O ministro de Interior da Alemanha disse que os serviços de inteligência estão observando as ações do movimento e qualificou seus líderes de “extremistas de direita”. Na semana passada, um manifestante carregava uma forca em que se lia “reservada para (chanceler alemã) Angela Merkel”.

“O desfile em torno dessa forca é um exemplo claro de que o potencial agressivo desses movimentos está crescendo”, disse um porta-voz em uma coletiva de imprensa do governo. “Esse desenvolvimento está sendo assistido de perto por autoridades de inteligência doméstica, tanto no âmbito federal quanto estadual.”

Thomas de Maiziere disse a uma emissora pública local que grupos como Pegida estão pavimentando o caminho para a violência e citou o ataque à faca sofrido pela prefeita de Colônia. O responsável pelo ato disse aos policiais que agiu por uma motivação anti-estrangeiros. /REUTERS e ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
extremismo Alemanha Pegida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.