REUTERS/Benoit Tessier
REUTERS/Benoit Tessier

Agressor da Champs-Élysées havia sido condenado por tentar matar agentes

Sua identidade foi descoberta por meio dos documentos que estavam no carro; polícia investiga sua casa

Andrei Netto, Correspondente / Paris, O Estado de S. Paulo

20 Abril 2017 | 20h57

Um francês de 39 anos, Karim C., morador da cidade de Chelles, 45 quilômetros a leste de Paris, é o terrorista morto a tiros pela polícia na Avenida Champs-Elysées na noite desta quinta-feira, 20. Em uma mensagem enviada pelo aplicativo Telegram, canal de comunicação utilizado pelo grupo terrorista Estado Islâmico, ele reivindicou a autoria do ataque e indicou que seu objetivo seria atingir as forças de segurança da França.

Em comunicado do EI, Karim C. foi chamado de Abou Yousseff al-Belgiki, ou seja, “o Belga” Abou Yousseff. Mas, na cultura do grupo terrorista, a informação pode indicar que o assassino viveu na Bélgica, ainda que tenha nacionalidade francesa, o que justificaria a alcunha. 

Nascido em 31 de dezembro de 1977 na cidade de Livry-Gargan, a 30 quilômetros de Paris, o terrorista vivia com a mãe em um pequeno sítio, de acordo com as primeiras investigações. Na noite de hoje, logo após o atentado, uma operação policial foi realizada na cidade de Chelles em busca de informações sobre o autor, cuja identidade foi revelada pelos documentos do veículo utilizado no crime.

Karim C. já tinha sido condenado por tentativa de assassinato de policiais e por isso passou pelo sistema prisional francês. O ataque de Paris concretiza o temor das autoridades. A ameaça já pairava nessa semana depois que dois homens foram presos na cidade de Marselha, no sul da França, acusados de preparar um atentado contra o comitê de um dos candidatos à presidência, François Fillon, do partido Republicanos (conservador).

Em um dos apartamentos utilizados pelos dois homens presos foram encontrados armas, munição e 3,5 quilos de produtos químicos utilizados para a fabricação de explosivos – do mesmo tipo dos usados nos atentados de Paris e de Saint-Denis, em 13 de novembro de 2015. 

Mais conteúdo sobre:
França

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.