AP Photo/Tim Aylen
AP Photo/Tim Aylen

Água do oceano na região das Bahamas ‘some’ após passagem do furacão Irma

Força do fenômeno aliada à baixa pressão fez com que as águas acabassem sendo ‘sugadas’ para o núcleo da tempestade

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2017 | 11h32

Entre as consequências da passagem do fenômeno Irma - furacão que atingiu categoria 5 no fim de semana e foi rebaixado para tempestade tropical nesta segunda-feira, 11 -, uma chamou muito a atenção de moradores e turistas nas Bahamas.

Segundo Angela Fritz, meteorologista do jornal The Washington Post, o Irma alterou o formato do oceano. Uma usuária do Twitter publicou um vídeo em sua conta e disse que não acreditava no que estava acontecendo. “Isso é Long Island, Bahamas, e a água do oceano sumiu!”

Basicamente, a força do fenômeno foi tamanha e a pressão foi tão baixa que acabou “sugando” a água para o núcleo da tempestade.

O vento em Long Island, nas Bahamas, ia do sudeste para o noroeste no sábado. No lado noroeste da ilha, as águas estavam sendo levadas para longe da costa. No Golfo da Flórida, os ventos desapareceram do leste, o que levou as águas para oeste e distantes da costa.

A meteorologista explicou que o centro da tempestade, onde há pressão extremamente baixa, a água é levada para cima. Esse cenário provoca uma espécie de mecanismo de sucção, o que significa que o fenômeno suga o ar para dentro e, quando a pressão está muito baixa, pode mudar o formato da superfície do oceano.

De qualquer forma, segundo Angela, isso não é um sinal de tsunami. As águas retornaram à normalidade no fim de semana. / WASHINGTON POST

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.