William Widmer/The New York Times
William Widmer/The New York Times

Alabama elege senador em votação estratégica para republicanos e democratas

Na disputa, o republicano Roy Moore, abalado por uma série de denúncias de abusos sexuais contra menores de idade, enfrenta o democrata Doug Jones

O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2017 | 12h34

WASHINGTON - Eleitores do Alabama vão às urnas nesta terça-feira, 12, para eleger um dos senadores do Estado em uma disputa fora do calendário eleitoral tradicional que pode ser decisiva para as pretensões dos partidos Republicano e Democrata no Congresso nos próximos 3 anos do governo Donald Trump. 

+ Fareed Zakaria: Trump e a arte de fazer concessões

Na disputa, o republicano Roy Moore, abalado por uma série de denúncias de abusos sexuais contra menores de idade, enfrenta o democrata Doug Jones. Caso vença, mantém a maioria republicana no senado em dois assentos. Uma derrota colocaria os democratas a apenas um senador de tirar a maioria rival. 

Uma vitória democrata também levantaria questões sobre o apoio a Trump em Estados tradicionalmente republicanos, como é o caso do Alabama.  Depois de hesitar um apoio aberto a Moore em virtude das denúncias contra ele, Trump decidiu apoiá-lo abertamente nas últimas semanas. 

+Cruzada contra a mídia americana

O fator decisivo para o resultado dessa eleição deve ser o grau de comparecimento do eleitorado afroamericano. Se os negros corresponderem a ao menos um quarto dos eleitores, Jones tem chance de vencer. O problema é que historicamente o comparecimento em votações para o Senado é baixo no Alabama.Por isso, o Partido Democrata concentrou grande parte dos recursos na campanha em convencer os negros a votar, especialmente em áreas mais pobres do Estado. 

 Do lado republicano, a aposta de Moore é no eleitorado branco de comunidades rurais – uma porção da população crucial para vitória de Trump no ano passado. Caso esses eleitores deixem de votar diante das acusações de pedofilia contra Moore, ele pode ser derrotado. Caso 60% desses eleitores optem por ele, o republicano deve sair-se vencedor. / WASHINGTON POST

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.