Alemanha condena nazista à perpétua

Um tribunal da cidade alemã de Munique condenou nesta quarta-feira à prisão perpétua um ex-guarda das tropas de assalto nazistas pelo assassinato de um prisioneiro judeu em um campo de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Anton Malloth, de 89 anos, era guarda no campo de Theresienstadt, na então Checoslováquia, ocupada pelo regime de Adolf Hitler. O acusado também foi considerado culpado por tentativa de assassinato de um outro prisioneiro, que havia escondido uma couve-flor sob sua jaqueta enquanto trabalhava na colheita. Malloth afirmou ser inocente das acusações. O juiz Juergen Hanreich, que presidiu o julgamento, disse que Malloth "torturou, humilhou e assassinou pessoas porque as considerava subumanas, sem direito à vida".

Agencia Estado,

30 Maio 2001 | 19h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.