REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque

Algo deveria acontecer a Assad, diz Trump   

Pentágono e Casa Branca estão em discussões detalhadas sobre opções militares para responder a um ataque com gás venenoso na Síria que matou dezenas de civis, pelo qual Washington culpou o governo sírio

O Estado de S. Paulo

06 Abril 2017 | 17h07

WASHINGTON - O Pentágono e a Casa Branca estão em discussões detalhadas sobre opções militares para responder a um ataque com gás venenoso na Síria que matou dezenas de civis, pelo qual Washington culpou o governo sírio, disse uma autoridade dos EUA nesta quinta-feira, 6.

A bordo do Air Force One, em viagem para a Flórida, o presidente americano, Donald Trump, disse que “algo deveria acontecer” com o presidente sírio, Bashar Assad, após o ataque. Mas interrompeu rapidamente sua fala após insinuar a destituição de Assad. 

“O que Assad fez foi terrível”, Trump afirmou aos repórteres que viajavam com ele. “O que aconteceu na Síria é uma desgraça para a humanidade e ele (Assad) está lá, ele está controlando coisas, então algo deveria acontecer”, disse Trump. 

De acordo com uma fonte do governo americano, o secretário de Defesa, Jim Mattis, deve discutir hoje as opções ao se encontrar com Trump na Flórida. Segundo a mesma fonte, as conversas sobre possíveis respostas já estavam em andamento entre Mattis e o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, H.R. McMaster.

Na quarta-feira, Trump declarou que o ataque, no dia anterior, que matou 86 pessoas, havia mudado sua maneira de ver a guerra da Síria. Pela primeira vez, criticou a Rússia por proteger Assad – de quem é o principal aliado desde o início da guerra, em 2011. Moscou rejeitou um projeto de resolução no Conselho de Segurança que condenaria e responsabilizaria Damasco pelo ataque. / REUTERS 

Mais conteúdo sobre:
Síria Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.