Aliado de Arroyo é suspeito de massacre nas Filipinas

A polícia das Filipinas apontou um aliado político da presidente Gloria Arroyo como principal suspeito do massacre de um grupo de jornalistas e políticos ocorrido na última segunda-feira no sul do país. Mais seis corpos foram encontrados pelos policiais, elevando o total de mortos para 52.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

25 Novembro 2009 | 06h23

"De acordo com os relatos iniciais, aqueles que foram sequestrados e assassinados em Saniag foram inicialmente barrados por um grupo liderado pelo prefeito de Datu Unsay", disse o porta-voz da polícia nacional, superintendente-chefe Leonardo Espina. O prefeito de Datu Unsay é Andal Ampatuan Jr., membro da coalizão governista Lakas Kampi CMD e filho do poderoso político regional que garantiu apoio local à presidente nas eleições anteriores.

Nesta quarta-feira, Gloria Arroyo prometeu justiça. "A presidente tem muita clareza de que os responsáveis, independentemente de quem sejam, devem ser trazidos perante as barras da justiça", afirmou o porta-voz presidencial, Cerge Remonde. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Filipinas massacre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.