Aliança do Norte aperta cerco ao Taleban

Funcionários da Aliança do Norte, grupo que faz oposição ao regime do Taleban no Afeganistão, afirmaram hoje que estão intensificando a pressão sobre o regime do Taleban, enquanto a luta se aproxima da fronteira com o Tajiquistão. Os combatentes do Taleban e da Aliança do Norte, um conjunto heterogêneo de grupos étnicos e chefes militares, lutaram perto do rio Pyandzh, que faz a divisa entre o Tajiquistão e o Afeganistão. Os dois países têm uma fronteira comum de 1,2 mil quilômetros. O porta-voz da aliança, Abdullah Abdullah, declarou à CNN que a oposição está aumentando a pressão. "O Taleban está numa situação realmente difícil, neste momento, no norte do Afeganistão", afirmou. A linha de combate entre as duas forças fica ao norte da capital, Cabul. Outra linha de combate passa perto da cidade de Mazar-e-Sharif, nas proximidades da fronteira com o Usbequistão. Ontem, a Aliança do Norte afirmou que preparava uma importante ofensiva contra cidades-chave, incluindo Cabul e Mazar-e-Sharif. No entanto, segundo a televisão russa, o grupo oposicionista aguarda os ataques liderados pelos EUA para lançar sua ofensiva. De acordo com fontes da oposição afegã, pelo menos 40 comandantes Talebans e 1,2 milicianos islâmicos teriam aderido à Aliança do Norte e bloquearam a única estrada que une o norte e o sul do país. "Cerca de 40 comandantes e 1,2 homens armados se uniram à Aliança do Norte e fecharam o cerco aos Talebans na estrada Bagram-Bamiyán", afirmou Abdullah Abdullah, "chanceler" da Aliança do Norte. Leia o especial

Agencia Estado,

09 Outubro 2001 | 17h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.