Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Aloysio acredita que política interna na Venezuela provocou 'escaramuça diplomática'

Para o ministro brasileiro, essa troca de agressões não é o mais grave da relação entre os dois países; 'o problema sério é a situação do povo venezuelano, que se reflete na crise de refugiados aqui'

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

27 Dezembro 2017 | 13h03

BRASÍLIA - O cenário político interno da Venezuela pode ter desencadeado a “escaramuça diplomática” com o Brasil, disse nesta quarta-feira, 27, ao Estadão o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. 

Ele acredita que a decisão do governo de Nicolás Maduro de declarar como personae non gratae o embaixador do Brasil em Caracas, Ruy Pereira, e o encarregado de negócios do Canadá, Craig Kowalik, foi uma tentativa de apaziguar setores mais radicais do chavismo depois da abertura de diálogo com a oposição intermediado pelo presidente da República Dominicana, Danilo Medina. 

“O Maduro dá uma no cravo e uma na ferradura”, comentou. Assim, o gesto de aproximação com a oposição foi contrabalançado com a medida contra os diplomatas.

O Brasil ainda não foi formalmente comunicado sobre a medida, disse Aloysio. Porém, já anunciou que fará o mesmo ao encarregado de negócios da Venezuela, Gerardo Maldonado, que no momento é o diplomata mais graduado em solo brasileiro. Ele já foi declarado persona non grata e o prazo para sua saída do Brasil será o mesmo que Caracas der a Pereira.

+Governo venezuelano liberta 44 opositores detidos por protestos

“Eles não têm embaixador aqui, mas eu achava importante ter um embaixador na Venezuela”, disse Aloysio. Ele queria um diplomata graduado para manter o governo informado e para organizar a assistência consular à comunidade brasileira no país vizinho. Pereira tinha contato com todos os segmentos da oposição e também com o governo de Nicolás Maduro.

Com a saída dele, o Brasil passará a ser representado na Venezuela pelo encarregado de negócios, João Marcelo de Aguiar Teixeira.

Para o ministro brasileiro, essa troca de agressões não é o mais grave da relação entre os dois países. “O problema sério é a situação do povo venezuelano, que se reflete na crise de refugiados aqui”, disse. O governo brasileiro tem um grupo de trabalho encarregado de organizar a ajuda na fronteira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.